08/12/2011

Brinquedos Populares de Pernambuco chegam ao Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular

Encerrando o projeto Sala do Artista Popular de 2011, o Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular (CNFCP) inaugura no dia 8 de dezembro, quinta-feira, às 17 horas, a exposição Brinquedos em Recife, índice de invenção, reunindo o encanto da criação de brinquedos populares como aviões, carrinhos, rói rói, mané gostoso, bola de meia, cinco marias, bonecas de pano produzidos por mestres artesãos do Recife e do município de Jaboatão dos Guararapes, em Pernambuco. A mostra, onde também são vendidas todas as peças expostas, fica em cartaz até o dia 8 de janeiro de 2012 e conta com o patrocínio da Caixa Econômica Federal, além da parceria da Fundação Joaquim Nabuco e o apoio do Iphan em Pernambuco. Estarão presentes na cerimônia de abertura da exposição, dois dos seis artistas expositores, José Francisco Lima e José Antonio da Silva (Saúba).
Os objetos que estão incluídos na classe do “brinquedo popular”: sobretudo se ressaltam os materiais orgânicos disponíveis, aquelas sobras associadas a determinadas atividades – sobras de retalhos, sobras de barro –, bem como o extraordinário aproveitamento de materiais descartados, refugos da indústria.

Sobre a Exposição
Se brinquedo e brincadeira são categorias recorrentes em expressões de devoção religiosa, em ciclos festivos como o carnaval, num espectro amplo de possibilidades um conjunto específico de objetos foi, ao longo do tempo, redefinido, fora de seus contextos, como “brinquedo popular,” como arte popular, como cultura. Afinal, por que deixamos de colecionar, por exemplo, um simples pedaço de madeira que se converte em avião nos jogos, as pedrinhas de ruas, um giz para riscar jogo de amarelinhas, a areia e água do mar aqui mencionados, os ruídos de animais ou o pedaço de tecido que improvisa a capa do herói?
No ano de 1987, com o objetivo de desenvolver ações relacionadas à coleção de brinquedos do acervo, o Museu do Homem do Nordeste, da Fundação Joaquim Nabuco, instituiu o Programa Feira atividade: brinquedos e brincadeiras populares. De acordo com Sílvia Brasileiro, o programa fora concebido em função da coleção de brinquedos e a ideia era promover uma série de atividades que não fosse apenas exibição de objetos. O foco era abrir espaços para aqueles que ainda guardassem os segredos da feitura, por exemplo, de uma boneca de pano, de um mané-gostoso. Com o tempo, o programa passou a abrigar, além da feira em que artesãos é que comandam as vendas de seus objetos, uma série de outras atividades – cantigas de roda, comidas tidas como “típicas”, histórias. A proposta, de acordo com os participantes, ampliou seus horizontes, pois passaram a receber convites para realizar oficinas em escolas, sobretudo no mês de agosto, mês do folclore. Por intermédio do Museu também participam em feiras e grandes eventos, bem como de projetos de política pública.

No ano de 2008, o Museu do Homem do Nordeste fora indicado para participar de iniciativa pública de fomento e difusão da atividade artesanal voltada para estudo das condições de trabalho e propostas alternativas, com o propósito de garantir a continuidade da atividade artesanal. De 2009 a 2011 é assim firmada a parceria com o Programa de Promoção do Artesanato de Tradição Cultural (Promoart), iniciativa do Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular, realizada por meio da Associação de Amigos do Museu de Folclore Edison Carneiro, no âmbito do Programa Mais Cultura, do Ministério da Cultura. O Museu do Homem do Nordeste, que atuou então no polo Brinquedos Tradicionais de Recife (PE), constituiu-se como referência na vida de cada um dos participantes, sendo a um só tempo um ponto de articulação, uma via de possibilidades para a participação em programas de fomento e difusão em nível federal, tais como o Artesanato Solidário e o Promoart.

[Fonte: Catálogo da exposição Brinquedos em Recife, índice de invenção, pesquisado e escrito por Guacira Waldeck.]

Serviço
Sala do Artista Popular Brinquedos em Recife, índice de invenção
Inauguração: 8 de dezembro de 2011, às 17h
Período: 8 de dezembro de 2011 a 8 de janeiro de 2012
Exposição e venda:
Terça a sexta-feira, das 11h às 18h
Sábados, domingos e feriados, das 15h às 18h
Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular - Rua do Catete, 179 (metrô Catete), Rio de Janeiro, RJ 22.220-000

Informações
Setor de Difusão Cultural
(21) 2285-0441, ramais 204, 205 e 206
difusão.folclore@iphan.gov.br
Visite www.cnfcp.gov.br e conheça a instituição

Fonte: Ascom - CNFCP

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget