30/12/2011

Por que não se vai mais a museus?

Jornal do Brasil
Marcos Hiller

Atualmente, o cidadão contemporâneo se vê diante de uma variedade de ofertas de entretenimento, produtos e serviços jamais vista. Paralelo a isso, os meios tradicionais de comunicação carregam uma inédita descrença por parte desse consumidor. E como pano de fundo disso, percebe-se na contemporaneidade, um cidadão com um nível de exigência visivelmente atípico, e com uma vasta possibilidade de formas de entretenimento e consumo de cultura em geral. E é justamente nesse contexto em que cidadãos, consumidores de entretenimento, tendem a se conectar a experiências mais relevantes e que estejam alinhadas com seu estilo de vida e, mais que isso, que não o transformem em mais uma pessoa sucumbida à massa. As pessoas hoje definem determinadas experiências de consumo como representantes de algo mais do que experiências aparentemente comuns de consumo.

E por que não se vai a museus? Essa pergunta transita nas cabeças dos principais curadores de arte e diretores culturais do país. E uma série de hipóteses pode ser listada no sentido de compreender e elucidar esse problema. Museu é cansativo, e na primeira saída o visitante vai embora, ou então perde muito tempo tentando entender a obra e esquece de se entreter. Dentro dessa hipótese, vale destacar o que cidades como Bilbau, na Espanha, fizeram. Algumas agências de turismo, no momento de desenhar rotas de passeio para turistas estrangeiros, colocaram a visita ao Museu Guggenheim justamente nos momentos de descanso.

O fato é que hoje se evidencia uma crise no consumo de museus. Em uma rápida comparação com outras formas de consumo cultural, no teatro e no cinema, por exemplo, o espectador fica sentado e também absorve e consome cultura com um nível menor de esforço. Outro indício forte é que, por conta de avanços tecnológicos, outras formas de entretenimento, como a internet e o uso de redes sociais, ganham uma envergadura bastante latente. Até mesmo a tradicional indústria do cinema, ainda assim, apresenta performances bastante satisfatórias, financeira e midiaticamente falando.

O que falta fazer para que o consumo de arte, de cultura, de museus ganhe mais visibilidade? O que este texto se propõe fazer, ou seja, trazer essa discussão para o debate, já é um começo importante. Outra hipótese evidente é que arquitetos, curadores de exposições e profissionais de arte possuem conhecimentos de marketing relativamente incipientes. Aqui vale desdobrar outro questionamento: essa incumbência pertence a esses profissionais?

Por exemplo, o arquiteto que, durante a idealização do projeto, decide colocar uma escada na entrada do museu, tem conhecimento que estudos hoje mostram que cada degrau na frente de uma loja representa 5% a menos de visitação? Ou então: um diretor de um museu que contrata e treina funcionários de linha de frente sabe que 70% dos fatores que fazem clientes não comprarem novamente de uma empresa são relacionados a problemas de atendimento?

O que é possível identificar no processo de marketing de experiência é a busca pelo momento único de consumo, por um processo de encantamento exclusivo, sofisticado e que vise diferenciações máximas. E no segmento de museus, fundamentalmente em exemplos brasileiros, percebe-se uma completa despreocupação nesse sentido. O design sofisticado da arquitetura dos prédios busca sim um impacto visual, mas a forma como fazer divulgação das exposições, o treinamento de funcionários e a preocupação com a marca do museu evidenciam uma lacuna nesse campo e, consequentemente, um convite para pesquisadores se concentrarem nesse tema.

Marcos Hiller é coordenador do MBA em Gestão de Marcas (Branding) da Trevisan Escola de Negócios (@marcoshiller)


http://www.jb.com.br/sociedade-aberta/noticias/2011/12/29/por-que-nao-se-vai-mais-a-museus/

28/12/2011

Louvre é acusado de danificar quadro de Leonardo da Vinci




RIO - O museu do Louvre, em Paris, está sendo acusado de ter danificado o quadro “The Virgin and Child with Saint Anne”, de Leonardo da Vinci, pintado há 500 anos. Os restauradores teriam limpado em excesso a obra, o que gerou um brilho que não existia na época renascentista, segundo o The Guardian.


Representantes da instituição não quiseram se manifestar, mas um membro da equipe disse anonimamente ao jornal que a restauração ultrapassou os limites de preservação e que os testes adequados não foram feitos. Os funcionários estão divididos entre o grupo que acredita que a obra está mais brilhante do que o normal e os que defendem que o trabalho esteja correto.


No dia 3 de janeiro, especialistas em arte renascentistas visitarão o Louvre para checar se a obra precisa ser retocada ou não.

Fonte: http://oglobo.globo.com/cultura/louvre-acusado-de-danificar-quadro-de-leonardo-da-vinci-3528250#ixzz1hrkjYOe0

Recolhidos 50 mil euros para restaurar "A Entrada de Napoleão em Amsterdã"

Amsterdã, Holanda, 26 dez 2011 (AFP) -O Museu de Amsterdã recolheu 51.349 euros, através de uma ação comunitária, destinados a restaurar um quadro de Matthieu van Bree, "A entrada de Napoleão em Amsterdã", informou a direção da instituição.

"Tivemos 340 doadores de somas variando de 10 a 25.000 euros", declarou à AFP a porta-voz do museu, Martine Willekens, para quem essas pessoas agiram por "amor à arte".

Entre elas estavam idosos, associações, escolas, e até clubes esportivos...
A coleta foi lançada em outubro de 2011, por ocasião do bicentenário da chegada de Bonaparte à capital holandesa, em 9 de outubro de 1811.

O museu, que esperava recolher 30.000 euros, surpreendeu-se com o "grande sucesso" da iniciativa e pensa repeti-la em outras ocasiões, no futuro, destacou a sra. Willekens.

A tela representa os burgomestres da cidade desejando as boas-vindas a Napoleão e entregando a ele as chaves de prata de Amsterdã, e esteve guardada no depósito do museu durante um século.


http://g1.globo.com/pop-arte/noticia/2011/12/recolhidos-50-mil-euros-para-restaurar-a-entrada-de-napoleao-em-amsterda.html

27/12/2011

As melhores exposições de 2011

Em foco: As melhores exposições de 2011

Aos 63 anos, a americana conhecida por usar a tecnologia com delicadeza para transmitir sensações chamou a atenção do público e da crítica com 'I in U — Eu em tu', exposição que fez em março no CCBB / Mônica Imbuzeiro / Agência O Globo




O desenhista conhecido pelas ilustrador da revista 'New Yorker' ganhou em maio, no Instituto Moreira Salles, uma mostra à altura da sua importância. 'As aventuras da linha' exibiu 111 trabalhos, como 'Air plane 1 — Bombardeio, Pacífico Sul, 1945' / Agência O Globo




Além da gigantesca escultura 'Maman', que adornou o jardim do MAM em setembro, a grande exposição “Louise Bourgeois: o retorno do desejo proibido” impactou pela consistência e importância de sua obra. A mostra reuniu 112 trabalhos realizados entre 1942 e 2009 / Márcia Foletto / Agência O Globo




Na instalação 'Concerto de pálpebras', uma sala demarcada por cortinas de filó translúcidas abrigava seis performers mascarados completamente imóveis, numa 'instalação que respirava sozinha', nas palavras de Enrica. A mostra integrou o 14º projeto Respiração, na Fundação Eva Klabin / Divulgação / Agência O Globo




A coleção poética de Fernanda Gomes invadiu o MAM, ocupando 1.820 metros quadrados do museu, na maior exposição já apresentada pela artista no Brasil. Cadeiras, facas, garrafas de vinho e panelas de ferro foram alguns dos objetos garimpados pelo mundo e trazidos para a mostra, ainda em cartaz. / Leonardo Aversa / Agência O Globo




A temporada 2011 do Instituto Moreira Salles começou em alto nível com a exposição pop “Video portraits”, do encenador Bob Wilson. A mostra reuniu 14 videorretratos de personalidades como Johnny Depp, Brad Pitt, Dita Von Teese, o Nobel de literatura Gao Xingjian e o artista Zhang Huan (foto) / Robert Wilson - Divulgação / Agência O Globo




O artista carioca saiu da zona de conforto — a pintura — para exibir, na Casa França-Brasil, a instalação '2892'. Setenta lençóis usados num hospital e num motel cariocas evidenciavam a ausência de dor e prazer proposta por Senise. / Sergio Araújo - Divulgação / Agência O Globo




Os escombros da implosão do presídio Frei Caneca, em março de 2010, foram fotografados, filmados e gravados na memória por Carlos Vergara, que transformou o material em pinturas, monotipias e fotos para a exposição 'Liberdade', nas Cavalariças do Parque Lage, em maio. / Agência O Globo





Uma das pioneiras da videoarte no país, a artista carioca nascida em 1935 ganhou um amplo e elucidativo painel do seu trabalho na mostra 'Sonia Andrade — Retrospectiva 1974-1993', no Centro Municipal de Arte Helio Oiticica. / Divulgação / Agência O Globo




Em julho, o fotógrafo italiano Gabriele Basilico esteve no Rio e, tal qual um flâneur, passou 11 dias clicando a cidade e seus cenários, como Santa Teresa e o Largo da Carioca. O resultado aportou no Oi Futuro Flamengo em setembro. / Gabriele Basílico - Divulgação / Agência O Globo


http://oglobo.globo.com/cultura/as-melhores-exposicoes-de-2011-3512087

24/12/2011

Restauração e Conservação

Globo Universidade
Universidade Federal de Minas oferece o curso de graduação em conservação e restauração
Confira o Vídeo!

23/12/2011

MinC e MEC assinam acordo de cooperação

Cine Educação deve contemplar mil escolas

O Acordo de Cooperação Técnica Interministerial, assinado na última quinta-feira, 8, em Brasília, pelos ministros da Cultura, Ana de Hollanda, e da Educação, Fernando Haddad, tem como objetivo estender as políticas públicas de Cultura para as escolas brasileiras. A primeira fase dos trabalhos prevê aproximadamente R$ 80 milhões em recursos, que serão usados para o desenvolvimento de seis ações entre as duas pastas, com o objetivo de beneficiar cerca de 1 milhão de alunos da rede pública do país.

Segundo a ministra Ana de Hollanda, “houve grande avanço das políticas públicas nos últimos nove anos, e a assinatura desse acordo vem coroar mais ainda a atual gestão do MEC”. De acordo com o ministro, o acordo visa “levar mais cultura para dentro da escola e levar mais educação para fora da escola”.

As seis ações previstas no acordo são Cine Educação, Edital Mais Cultura nas Escolas, Edital Agentes de Leitura nas Escolas do Campo, Programa Nacional Biblioteca Escolar, Formação continuada para professores de artes, Realização de Pesquisa, mapeamento e georreferenciamento.

O projeto Cine Educação prevê a capacitação de professores e a disponibilização de acervo cinematográfico nacional de títulos da Programadora Brasil/Cinemateca Brasileira. O contato com a produção audiovisual tem o objetivo de desenvolver nos estudantes um pensamento crítico e a capacidade de analisar, discutir e aprender sobre o cinema brasileiro. Os professores e coordenadores de ensino serão capacitados a partir de filmes específicos e contarão com suporte no desenvolvimento de atividades pedagógicas com os alunos. Estes, após as sessões de cinema, participarão de atividades propostas pelos professores. Para 2012 a implementação deverá acontecer em mil escolas.

Informe do Corem 1ª Região

CONSELHO REGIONAL DE MUSEOLOGIA 1ª REGIÃO – COREM 1R


INFORME


O Conselho Regional de Museologia 1ª Região informa abaixo os nomes dos Profissionais Museólogos homologados para o processo eleitoral 2012. Neste momento há 03 (três) vagas para Conselheiros do COREM 1R e 02 (duas) vagas para Conselheiros do COREM 1R no Conselho Federal de Museologia. Desta forma, seguem abaixo os nomes dos Candidatos:


Candidatos COREM 1ª Região

Osvaldina Cezar Soares

Ângela França de Brito

Raimundo Cova Figueiredo


Candidatos COREM 1ª Região no Conselho Federal de Museologia

Joana Angélica Flores Silva

Maíra de Oliveira Dias


OBS: Maiores informações dos candidatos serão publicadas. As eleições serão de 05 a 07 de janeiro de 2012.


Cordialmente.

Antonio Marcos Passos

COREM 221.I
Presidente do COREM 1R

COFEM

18 DE DEZEMBRO - DIA DO MUSEÓLOGO

Durante muitos anos, museólogos do Rio de Janeiro, da Bahia e de São Paulo, com a apoio de seus colegas em outros estados, uniram-se e lutaram em prol de um ideal: a regulamentação da profissão de Museólogo. Negociações e conversas em Brasília em gabinetes de parlamentares, durante o período da ditadura militar, era, de fato, uma atitude ousada de nossos abnegados colegas. Não citarei nomes, porque posso cometer a descortesia de esquecer pessoas atuantes naquele processo. Após muitas idas e vindas, no fim do ano de 1984 obtivemos a tão almejada regulamentação.
Nestes 27 anos o Brasil mudou e a Museologia também. De dois cursos naquela ocasião – Rio de Janeiro e Bahia – até os catorze de hoje, muitas coisas mudaram no fazer museológico e na forma como a Museologia construiu um campo de pensamento sólido e multidisciplinar. Hoje temos no Brasil o Mestrado e o Doutorado em Museologia.
Os novos cursos estudam e discute, além da teoria museológica e das disciplinas básicas, as especificidades das culturas regionais. E assim deve ser, porque vivemos num país diversificado culturalmente, inserido num mundo globalizado que valoriza, cada vez mais, as diferenças locais. A Museologia não pode estar alheia à contemporaneidade.
Inúmeras foram as conquistas, fruto do idealismo de quem abraça uma causa, de quem luta por ela. Nada é fácil, nada cai do céu! E estas lutas contaram sempre com o apoio dos Conselhos regionais de Museologia - COREM's e do Conselho Federal de Museologia – COFEM, por meio da atuação de seus membros.
Todos os Conselheiros regionais e federais - que voluntariamente deram seu tempo e sua energia trabalhando para por em prática a regulamentação, criar o Regimento Interno, o Código de Ética; reunir, discutir, baixar resoluções e portarias; ouvir desaforos; enfrentar falta de recursos e de sede - merecem o nosso mais profundo respeito.
Reconhecemos que “nossa lei” precisa ser mudada em alguns de seus artigos porque ora não retratam a realidade do campo, ora conservam características ditatoriais, ora não contemplam o mercado de trabalho, etc. etc. Para mudar a Lei 7.287 é preciso que a categoria se mobilize e apresente propostas. Visando atender as reivindicações da classe, o COFEM promoveu, em 2005, um plebiscito para que os museólogos opinassem se queriam ou não mudar a lei. A resposta foi não: naquela ocasião nossos pares entenderam que não era um bom momento para mudanças. Pode ser que os tempos sejam outros, pode ser que as opiniões tenham mudado!
Como disse em ocasiões anteriores, precisamos de sangue novo nos conselhos, precisamos que os mais jovens se habilitem, estudem a lei, o regimento, o mercado; se preparem para continuar a defender a categoria de forma sensata e dentro da legalidade. As portas dos COREM's estão abertas! E do COFEM também.
Desejo, em meu nome e em nome da Diretoria do Conselho Federal de Museologia, um Feliz Dia do Museólogo a todos. E que tenhamos sucesso em nossa carreira e que possamos, em harmonia, contribuir para o crescimento de nosso País.

Um abraço a todos.

Telma Lasmar
Presidente do COFEM

22/12/2011

Museu das relações terminadas

Certa vez ouvi em algum lugar que mulher guardava mais objetos de término de namoro. Não sei o que quiseram insinuar com isso, mas acho que deve ser verdade, pois elas enxergam aquela embalagem de bombom que o cara lhe deu na quinta série como o registro repleto de informação. E foi pensando em todo este registro que em Zagreb, na Croácia, um relacionamento que não foi bem sucedido de o casal Olinka Vistica e Drazen Grubisic quiseram criar algo inovador com o fim da sua relação amorosa. Depois da separação, apresentaram uma exposição numa bienal em nesta mesma cidade onde colocaram em exposição os presentes trocados enquanto estiveram juntos, como resultado, ouve grande identificação por parte do público que também partilhava tais lembranças boas (ou não).


Segundo Drazen, a intenção do museu é oferecer uma oportunidade para superar a ruptura doando o que torna difícil esquecê-la. A cada contribuição feita, fica anexado também o seu significado e o momento em que foi oferecida. “Cada objecto exposto é único e tem uma descrição cheia de sentimento, de como a pessoa viveu essa situação. Isto porque nós pensamos que pode mesmo ser terapêutico para os corações partidos”, acrescenta.







Leia mais:

Dia do museólogo é comemorado com anúncio com um balanço positivo de 2011 e expectativas para 2012


Minha namorada diz que o bom da museologia são as festas. Eu costumo responder que tem muita coisa boa na museologia, embora tenha que admitir: sabemos comemorar. E não foi pra menos no dia 18 de dezembro como toda comunidade museológica deve saber comemora-se o dia do museólogo e embora a data seja lembrada por todos, a comemoração deste ano aconteceu no último dia 20 e contou com a presença de muitos colegas que não se viam a muito tempo.

Outra presença importante foi do José Nascimento que fez um discurso antes de se começar as festividades onde afirmava um orçamento do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) com aumento de até 72% para 2012 caso o Congresso aprove todas as emendas parlamentares em favor da autarquia apresentadas à Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) da União. O que é uma ótima notícia posto já afirmamos aqui que ano que vem a cultura pode ter um corte de 16%!!!

José Nascimento Júnior Presidente do Ibram

Balanço de 2011

Nascimento fez um balanço bastante positivo sobre o ano de 2011. Lembrou que os 30 museus a ele vinculados realizaram um total de 70 exposições. Na área de fomento, a instituição apoiou mais de 200 projetos e criou os pontos de memória no exterior (Espanha, Uruguai e Bélgica), rede que deverá ser ampliada em 2012. Outra iniciativa destacada foi o 1º Prêmio Ibram de Roteiros Audiovisuais, uma das maiores premiações do país neste setor, que recebeu a inscrição de mais de 120 propostas.

Pátio do Museu Histórico Nacional, palco da festa em homenagem ao Dia do Museólogo

Em seu balanço das atividades de 2011, Nascimento ressaltou também a implantação do Sistema de Gerenciamento Integrado (SGI), que deu mais transparência à gestão documental da instituição. E destacou importância do setor de publicações do Instituto na sistematização e produção de conhecimento. Segundo ele, não há terceirizações nesta área.

Projeções para 2012

Além dessas projeções fiz uma rápida pesquisa no site do Ministério da Cultura onde informava que o Ibram lançará editais de fomento e qualificação em 2012, com investimento de R$ 129,5 milhões.

Aqui no Rio de Janeiro, os museus terão programação especial em junho, durante a Rio +20 , reunião sobre meio ambiente promovida pela Organização das Nações Unidas. Além disso, estão previstas para o próximo ano as seguintes atividades do Ibram: Fórum Nacional de Museus (de 16 a 20 de julho), X Semana Nacional de Museus (14 a 20 de maio) e a Sexta Primavera de Museus (setembro).

Está prevista também uma nova edição do Programa de Fomento Ibram, além da continuidade do Programa de Qualificação em Museologia e a ampliação, em pelo menos 20%, do número de exposições nos 30 museus integrantes da estrutura do Ibram.

E pensando nos mega eventos esportivos que acontecerão no Brasil e talvez querendo de evitar o que aconteceu no Pan no Rio de Janeiro que não deixou para a cidade nenhum registro cultural o Instituto pretende ainda aprovar o Projeto do Legado Cultural para o Setor Museal, que prevê a destinação de R$ 200 milhões por ano, até 2014, para a modernização, qualificação e garantia de atratividade dos museus brasileiros para os megaeventos esportivos que serão realizados no Brasil, aliás, um projeto um pouco tarde.

O Brasil também sediará uma reunião com especialistas em patrimônio museológico e coleções para discutir um marco regulatório internacional para o setor, sob a coordenação do Ibram, conforme proposta aprovada pela Unesco. Além disso, terão início as reuniões do projeto Conexões Ibram, que objetiva a disseminação e o desenvolvimento de temas estruturantes para a área museal em estados e municípios.


Kid Vs. Kat - "A Maldição da Tumba de TutanGato"

Bem vindos ao melhor lugar do mundo, o Museu de Butsville.
Coop, Dennis, Burt (Pai de Coop), e Millie vão a um museu com a escola, mas Millie leva o Sr. Gato junto, e este quer libertar TutanGato.
Assista o desenho e divirta-se!

20/12/2011

Museólogo para colorir!

No site do COFEM foi publicada uma mensagem da Presidente do COREM 2R, Magda Vilela, falando sobre um site infantil. Reproduzo aqui:

Amigos,

No ano passado enviei um e-mail a um site infantil que fala sobre profissões e solicitei que divulgassem o dia do museólogo.
Vejam o presente que recebemos e compartilhem!
Feliz dia dos museólogos!!!

Magda Beatriz Vilela
Presidente do COREM 2R
2ª Região 0391-I


O site é o Smartkids, e eles fizeram uma publicação legal no dia 18:

DIA DO MUSEÓLOGO

Você gosta de ir ao museu? Existem museus de vários tipos que exibem coisas diferentes como: artes, história natural, cultura indígena, animais, ciências e tecnologia. Tem até museu para grandes personalidades. O museu do inventor da aviação Santos Dumont é cheio de curiosidades, tem até uma escada que só dá para subir com pé direito,
já imaginou?

E quem seleciona e guarda toda esta riqueza?
São os museólogos, por isto vamos comemorar este dia. Que tal uma visita ao museu mais perto de você!

Fale também com a sua professora para programar visitas a museus com a sua turma mensalmente.
A Smartkids garante que você vai se divertir e aprender aos montes!


E disponibilizaram um desenho para colorir sobre o dia do museólogo!


Link para impressão:
http://www.smartkids.com.br/desenhos-para-colorir/hoje-e-dia-dia-do-museologo.html

Museu como ferramenta publicitária: Fórmula secreta da coca-cola é exposta em museu

Tá aí uma empresa que inovou e revolucionou o marketing mundial. Algumas das principais estratégias de vendas do século XX foi elaborada pela marca, e isso vai desde as cadeiras e mesas de bares com a imagem da marca a até o exaustivo uso do Papai Noel como garoto propaganda. Mas sua última estratégia de marketing chamou um tanto a atenção. Acontece que a tal receita secreta da bebida mais conhecida do mundo, foi transferida no dia 8 de dezembro, para um novo cofre, que está exposto no museu World of Coca-Cola, em Atlanta, o que causou certo burburinho.


É claro que ninguém vai poder chegar perto o suficiente para poder ver os ingredientes da cobiçada receita criada em 1889 (chupa plancton). A estratégia mesmo é aguçar a curiosidade dos visitantes e sacralizar um objeto digno de exaltação nos quatro cantos do planeta.

Ninguém será capaz de ver a fórmula? Diz isso pra esse carinha aí em cima.

O que poucos sabem é que a formula criada por John Pemberton – já vazou a um tempão. Uma cópia manuscrita da receita foi encontrada na parte de trás do livro do farmacêutico meio século atrás, e impresso em 1979 em uma edição do jornal The Atlanta-Journal Constitution.

Que o museu é uma ferramenta de propaganda ideológica já sabemos, é utilizado por governos e por grandes colecionadores como uma pequena mostra de seu poder e como uma forma de transmitir uma ideia. O que vemos aqui é uma demonstração de poder e transmissão de uma ideia mercadológica, um rumo que cada vez mais as instituições estão cedendo.

Para saber mais:


Coca-Cola: Como fazer; Receita secreta da Coca-Cola é exposta em museu

19/12/2011

Museu do Louvre adota Nintendo 3DS como guia virtual



MADRI - O austero museu do Louvre, em Paris, vai adotar o videogame portátil Nintendo 3DS como seu guia eletrônico a partir de março. Cinco mil unidades do console irão substituir gradualmente os audioguias tradicionais.

A tela dupla em 3D do portátil vai oferecer ao visitante, em oito idiomas, uma nova maneira de descobrir as obras que o museu abriga. Um dos motivos para o Louvre ter escolhido o videogame da Nintendo é a necessidade de convencer os jovens a acompanhar os pais durante as visitas.

Para evitar roubos, a versão do 3DS a ser usada pelo Louvre não rodará jogos. Seu empréstimo custará seis euros e exigirá apresentação de carteira de identidade.

A adoção do Nintendo 3DS faz parte da política do museu de explorar as opções tecnológicas para divulgar sua coleção. O Louvre prevê, por exemplo, investir um milhão de euros na melhoria dos seus aplicativos para celulares e tablets, e o uso do recurso de realidade aumentada está nos planos da instituição. Os apps do Louvre já foram baixados três milhões de vezes.

Lançado em fevereiro deste ano no Japão, o Nintendo 3DS permite ao usuário jogar com cenários 3D sem o uso de óculos especiais. O portátil vem com duas telas e possui acelerômetro e giroscópio. As vendas do aparelho atingiram três milhões de unidades no Japão, mas os consumidores americanos e europeus, em crise financeira, não estão comprando o 3DS no ritmo desejado pela Nintendo. O console chegou ao Brasil em junho.

Dia do Museólogo

Mais um Dia do Museólogo! Muitas programações... Afinal, 27 anos da nossa regulamentação.

Motivos pra comemorar? Sim! Motivos pra reclamar e querer mudanças? Sim!

Há 4 meses estou em um Estado onde somos somente três museólogas. Reflexões mil sobre a nossa profissão. Quem sabe isso não rende um post em breve? Enquanto isso repasso o texto da Ministra Ana de Hollanda sobre o Dia do Museólogo, disponível no site do MinC.

Só nos resta repetir o lema do Museologando: Museólogos(as) de todo mundo, uni-vos (ou não).

Dia do Museólogo

Ministra Ana saúda profissional que busca mostrar as marcas da produção cultural brasileira

Este 18 de dezembro é o Dia do Museólogo no Brasil. Profissão regulamentada em 1984, o dia nacional foi instituído 20 anos depois como reconhecimento pelo papel fundamental do museólogo para o fortalecimento da cultura brasileira.

Profissional que estuda os museus a partir das relações entre o ser humano, a cultura e a natureza, o museólogo é essencial para a proteção, documentação, conservação, pesquisa e difusão do patrimônio museológico. Desta forma, ele traz consigo o interesse contínuo pelas conquistas materiais e imateriais de uma nação, na busca, sempre, dos melhores caminhos para dar a ver as marcas da nossa produção cultural.

O Ministério da Cultura, por meio do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), tem apoiado ações em prol da museologia brasileira e, consequentemente, de seus profissionais. Dentre elas, podemos destacar o Programa de Qualificação em Museologia que, apenas em 2011, realizou cerca de 20 oficinas com apoio das secretarias de estado da cultura, de norte a sul do país. Isso significa centenas de profissionais participando de ações de formação em torno de assuntos essenciais em suas áreas.

Outra vertente desse apoio à profissão é o investimento por parte do Ibram em publicações que tratam da questão museológica no Brasil e no exterior. Museus em Números, Guia dos Museus Brasileiros, as revistas Musas e Museália são alguns bons exemplos da intenção de criar subsídios teóricos e dar visibilidade para estudos, levantamentos e pesquisas em torno de assuntos que compõem o amplo espectro da museologia.

Completa esse cenário promissor, o incentivo por parte do Ibram à criação e qualificação de cursos em museologia espalhados pelo Brasil. Atualmente, já são 14 as instituições nacionais que oferecem o curso de forma regular, e a intenção é manter o diálogo contínuo com o Ministério da Educação e universidades, para que novas opções sejam oferecidas, para assim ampliar o acesso à profissão.

Ao envolver governos, instituições educacionais e museológicas, organizações sociais e cidadãos, o Ministério da Cultura acredita que a profissão de museólogo contribui definitivamente para dar mais força e amplitude à vida cultural do país, com a criação de condições para que compreendamos melhor o papel social que os museus representam em uma sociedade ciente da importância da preservação de sua memória.

Ana de Hollanda
Ministra de Estado da Cultura

16/12/2011

Manuscrito mais antigo com Dez Mandamentos é exposto em NY

Nova York, 16 dez (EFE).- O manuscrito mais antigo e conservado com as mensagens dos Dez Mandamentos que, segundo a fé judaica, Moisés recebeu no Monte Sinai, será exposto a partir desta sexta-feira no Museu Discovery de Nova York.
Escrito em hebraico, o pergaminho de mais de 2 mil anos possui aproximadamente 45 centímetros de comprimento por 7 centímetros de largura e faz parte da mostra mais ampla sobre os manuscritos do Mar Morto, que inclui mais de 500 artefatos cedidos pela Autoridade de Antiguidades de Israel (IAA, na sigla em inglês).
O documento foi descoberto em 1954 e, segundo o Museu Discovery, faz parte de uma coleção de mais de 900 peças encontradas ao longo dos anos 40 e 50 em uma gruta de Qumran, região situada próxima ao Mar Morto.
Os manuscritos, também escritos em aramaico e grego, além de hebraico, são os documentos mais antigos encontrados sobre a vida na Judéia.
Segundo o museu nova-iorquino, 'os Dez Mandamentos são as regras que constituem os pilares da moralidade e da lei do mundo ocidental', destacando que o texto 'reúne e define como os homens e as mulheres devem trabalhar e viverem juntos sob sua fé em uma sociedade civil'.
Essa é a primeira vez que esse pergaminho será exposto em Nova York. A peça, que contém fragmentos do Deuteronômio, é datado entre os anos 50 e 1 a.C. e é um dos dois únicos manuscritos antigos com os Dez Mandamentos que existem atualmente.
Apesar do tempo de existência, o Museu Discovery confirmou que o estado de conservação do manuscrito é 'excepcional', apesar de ser feito com um material tão frágil como a pele de um animal, ou seja, muito vulnerável à umidade, a luz e as variações na temperatura.
O outro manuscrito, conhecido como o Papiro Nash, está armazenado na Universidade de Cambridge. Apesar de estar fragmentado, a peça é datada entre o ano 150 e 100 a.C.
A identidade do autor das escritas é desconhecida, embora a instituição nova-iorquina tenha afirmado que muitos especialistas acreditam que todos os manuscritos do Mar Morto foram escritos por integrantes de uma seita que se distanciou do Judaísmo e viveu no deserto de Israel do século III a.C. até o ano 68 d.C.
O pergaminho dos Dez Mandamentos poderá ser visto até o próximo dia 2 de janeiro, enquanto o resto da exposição, que foi inaugurada 28 de outubro, permanecerá aberta até o dia 15 de abril de 2012.

http://g1.globo.com/pop-arte/noticia/2011/12/manuscrito-mais-antigo-com-dez-mandamentos-e-exposto-em-ny.html

Dia do Museólogo

COREM 2R

Prezados (as) Museólogos (as),

Em cumprimento à resolução do COFEM nº 03/2011. Foram realizadas as eleições COFEM/COREM, nos dias 08 e 09 de dezembro no horário de 9h às 17h, tendo sido um total de 168 votantes. O resultado da contagem para os candidatos do COFEM, foi: Rita de Cássia de Mattos - (0064-I), com 92 votos; Mácia ferreira Netto - (0196-I), com 54 votos e um total de 22 votos brancos e nulos; para o COREM, foi: Magda Beatriz Vilela - (0391-I), com 69 votos; Nancy Corrêa Ploncynski (0326-I), com 53 votos; Newton Fabiano Soares (0842-I) com 49 votos; Claudio Nelson Oliveira Barbosa (0453-I), com 43 votos; Liliane Bispo dos Santos (0830-I), com 28 votos; Tatiana Avelino de souza Ferreira (0625-I), com 24 votos; Mônica Salem Zayias (0411-I), com 18 votos.
Estavam presentes para apuração, Margareth Araújo Bugarin (0614-I), Lucienne Figueiredo dos Santos (0398-I), Prisciline Atoé da Silva (0789-I), Laís Ângela Lopes Tavares (0379-I). Sem mais, encerrou-se a Plenária às 18h e 45min.

Ateniosamente,
Diretoria do COREM 2ª Região - RJ/MG/ES

Nova espécie de dinossauro descoberta em Museu de História Natural

Após quase um século no local, uma nova espécie de dinossauro com chifre, conhecida como Spinops sternbergorum, foi encontrada no depósito do Museu de História Natural da Inglaterra.



Os restos do herbívoro, da mesma família do Triceraptor, foram escavados junto com um grande grupo de fósseis, na chamada “cama de ossos” de Alberta, no Canadá, em 1916.
Mas a ossada não foi levada a sério pelo responsável de Geologia do Museu na época, e ficou quase 100 anos guardada, até que especialistas perceberam a novidade.

Ela foi reencontrada por um grupo de pesquisadores que decidiu dar uma nova olhada nos fósseis. O líder do grupo, Andrew Farke, afirma que “sabia na hora que o fóssil era diferente, e foi muito excitante aprender sobre sua evolução”.

“Aqui temos não apenas um, mas diversos indivíduos das mesmas espécies, então estamos confiantes de que não se trata apenas de um exemplo estranho, mas de uma espécie até então desconhecida”, diz.

Os paleontologistas terão que redefinir a forma com que o grupo dos dinossauros com chifres, herbívoros e com extensões ósseas no pescoço é classificado.

Fonte:

http://hypescience.com/nova-especie-de-dinossauro-descoberta-em-museu-de-historia-natural/

13/12/2011

Filme sobre Nise da Silveira para 2013

Está prevista para chegar às telas brasileiras em 2013 o filme “Nise da Silveira – Senhora das imagens" com direção de Roberto Berlinder, pretende levar ao grande público a história da médica alagoana que virou referência no tratamento da esquizofrenia no Brasil. Com o trabalho desenvolvido pela médica nos ateliês de pintura e de modelagem da Seção de Terapêutica Ocupacional do Centro Psiquiátrico Pedro II deu origem ao Museu Imagens do Inconsciente. Aconteceu que a produção desses ateliês foi tão abundante e revelou-se de tão grande interesse científico e utilidade no tratamento psiquiátrico que pintura e modelagem assumiram posição peculiar e que deu origem ao Museu Imagens do Inconsciente. O papel-título ficará a cargo de Glória Pires.

Ela não é fofa?


O enredo se desenrola entre 1942 e 1944, período em que Nise chega ao Rio de Janeiro para trabalhar no Hospital Pedro II no Engenho de Dentro. Lá é designada para cuidar da área de terapia ocupacional do centro psiquiátrico da unidade. Ela foi pioneira no tratamento de pacientes ou “clientes” que participavam de atividades de jardinagem, teatro, dança e música.

"A partir desse momento, alguns desses esquizofrênicos embotados transformaram-se em grandes artistas. E, pela leitura que fazia dessas obras, Nise começou a penentrar no inconsciente deles. Este talvez tenha sido seu grande triunfo. O filme fala disso tudo", comentou o diretor Roberto Berlinder, que teve a ideia da produção há cerca de 8 anos.
Belinder conta ainda como surgiu a ideia de trabalhar com a história da médica que trouxe esta visão sobre a esquizofrênia e a arte.

"Não pude evitar. Começou com um pedido de ajuda para que a gente fizesse um comercial para a Casa das Palmeiras, uma das instituições que a Nise fundou. A partir daquele momento, percebemos que tínhamos uma grande história nas mãos, de uma mulher que foi contra tudo e contra todos a vida inteira. E sempre esteve do lado dos maginalizados", disse Berlinder.


Outro ator que vai participar do filme é o Flavio Bauraqui, que vive o "cliente" Otávio Ignácio e também já protagonizou o artista louco Artur Bispo do Rosário, esquizofrênico paranoico que viveu durante 50 anos na Colônia Juliano Moreira, no Rio de Janeiro, no filme "O senhor do labirinto".

Para saber mais:

Trabalho em filme sobre Nise da Silveira "é um sonho", diz Glória Pires - G1

Nise da Silveira: caminhos de uma psiquiatra rebelde - Museu Oscar Niemeyer


Ocorreu um erro neste gadget