29/11/2011



Enviada pela museóloga Mayra Brauer

A nova obra de Oscar Niemeyer cabe no Aterro?


Encomendado a Oscar Niemeyer e orçado em mais de R$ 200 milhões, o projeto de uma casa de shows em pleno Aterro do Flamengo corre o risco de nunca sair do papel. Em entrevista ao jornal O Globo, o superintendente no Rio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Carlos Fernando Andrade, afirmou que o projeto era “impossível de ser aprovado” já que, no decreto que tombou a área, em 1965, não há “qualquer teatro previsto” entre os os equipamentos que o parque pode conter.

Encomendado ao arquiteto pelo Brazil Foodservice Group (BFG), grupo que administra a rede de churrascarias Porcão, o projeto, que ainda não tem nome, contaria com uma plateia de 2 mil lugares, balcões e camarotes com 500. A construção só poderia ser aprovada se o Iphan abrisse uma exceção, o que poderia gerar um precedente perigoso de obras não previstas no decreto original.

“Na época em que foi concebido, a ideia era de que se devia fazer áreas de lazer para o parque, como restaurantes e quadras de futebol”, explica o ambientalista Luiz Prado. “Mas colocar um empreendimento totalmente privado é algo que precisa ser discutido com profundidade com a população. Quem vai decidir isso? O Porcão? O Iphan? Na minha opinião, deveria haver um referendo. A população é que precisa decidir. É algo que está previsto na constituição e que só não usamos por preguiça”.

Prado acredita que a questão não é ambiental.

“Não tem nada a ver com meio-ambiente”, afirma. “Isso vai afetar o trânsito, talvez a vista. Não interessa se quem está fazendo é o Niemeyer. O que está em jogo aqui não é a arquitetura, mas a utilização do espaço público. E a utilização do espaço público no Rio virou uma bagunça danada”.

Por sua vez, o presidente da Associação de Produtores de Teatro do Rio de Janeiro, Eduardo Barata, lamenta uma possível barragem do projeto, que define como “firula burocrática”.

“Temos uma séria falta de espaços para se apresentar no Rio”, justifica. “Os editais nos permitiram aprimorar nossas espetáculos. Hoje temos mais peças, mas menos espaços para apresentá-las”.

Barata cita o fechamento de espaços tradicionais, como o Glória e a Galeria do Flamengo, além da suspensão temporária do Villa-Lobos (em função de um incêndio), para lembrar a importância de um novo projeto no Parque do Flamengo.

“Sendo uma obra do Niemeyer num espaço privilegiado, e ainda por cima carente de teatros, seria um impulso importante para o teatro no Rio”.

Ex-Secretário de Urbanismo do Rio de Janeiro, o arquiteto Flávio Ferreira também acredita que só a sociedade civil e a opinião pública deveriam decidir o futuro do projeto.

“Para o Iphan aprovar, teria que justificar uma exceção”, explica. “Esta exceção parte da reação da sociedade. Se a sociedade achar que será bom para cidade, teria uma justificativa. Eu, pessoalmente, acho o projeto muito grande. Não cabe naquele espaço”.

O deputado federal do PV, Alfredo Sirkis, concorda com a decisão do Iphan. “Aquela área é sensível, complicado em termos de acessibilidade e uma obra desse tamanho implicaria um impacto paisagístico. Já há uma casa de shows, que é o Vivo Rio, feito de acordo com o projeto original. O mais correto seria fazer a obra em outro local, não no parque”.

Fonte:http://opiniaoenoticia.com.br/brasil/politica/a-nova-obra-de-niemeyer-cabe-no-aterro/?ga=dtf

Projeto mensal prevê visita aos bastidores do Museu Imperial (RJ)

Os participantes do projeto O Museu Que Não Se Vê, desenvolvido pelo Museu Imperial/Ibram, tiveram a oportunidade de conhecer um acervo diferente no dia 18 de novembro: os itens relacionados à fotografia guardados nos setores técnicos.
A atividade fez parte do festival de fotografia Clic! Petrópolis, que acontece na cidade até 27 de novembro, e esteve integrada ao projeto mensal que revela os bastidores do Museu Imperial, apresentando os setores técnicos e o acervo que não fica exposto no palácio.
A edição especial apresentou ao público livros sobre fotografia, periódicos, álbuns, câmeras antigas e imagens capturadas com diversas técnicas fotográficas, como daguerreótipo e ambrótipo. Os participantes tiveram até mesmo a oportunidade experimentar um estereoscópico, técnica do início do século XX que permite visualizar fotografias em três dimensões.
Além do acervo da Biblioteca, do Arquivo Histórico e do Setor de Museologia, os visitantes conheceram o Laboratório de Conservação e Restauração, que preserva todo esse acervo, e o Projeto de Digitalização do Acervo do Museu Imperial (Projeto DAMI), que digitaliza e disponibiliza no site do Museu as coleções guardadas na instituição.
A participação no projeto é gratuita e pode ser agendada pelo telefone (24) 2245-4668 ou pelo e-mail mimp.someluz@museus.gov.br. São realizadas visitas toda última quarta-feira do mês, das 9h e das 14h. Mais informações aqui.

Texto e fotos: Divulgação Museu Imperial

28/11/2011

Dica de Filme

Tenacious D Uma dupla infernal
Na ensolarada Venice Beach, Califórnia, a história do rock começa a mudar para sempre quando um jovem e inexperiente fã chamado JB conhece um sujeito preguiçoso de nome KG. Os dois se tornam amigos quase instantaneamente e juntos formam o seu próprio grupo, o Tenacious D. apesar de ter apenas dois integrantes, o título de "maior banda de rock do mundo" se torna a sua maior obsessão. E para transformar o seu sonho em realidade, eles precisam obter o item supremo: uma palheta de guitarra mágica que é mantida em segurança no imponente Museu do Rock & Roll.
Assista o filme!

Rito indígena brasileiro entra na lista da UNESCO de patrimônios culturais imateriais em risco

Ritual Yaokwa, do Povo Indígena Enawene Nawe. Imagem: Acervo Iphan, 2008Um rito amazônico brasileiro e mais dez manifestações culturais de outros países entraram na quinta-feira (24/11) para a lista de Patrimônios Culturais Imateriais em Necessidade de Salvaguarda Urgente. O Ritual Yaokwa, do Povo Indígena Enawene Nawe, do noroeste do Mato Grosso, passa agora a ser protegido também pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Cultura e a Ciência (UNESCO).
Os índios realizam este ritual diariamente durante sete meses por ano, abrangendo as estações de seca e chuva, num calendário ecológico. Envolve a pesca de barragem, com sofisticadas armações que configuram elaboradas obras de engenharia, feitas com matéria-prima da floresta amazônica. Inclui ainda música, dança e oferendas para os espíritos.
Também foram incluídas na lista manifestações culturais do Peru, China, Emirados Árabes, Indonésia, Irã (2), Mali, Mauritânia, Mongólia e Vietnã.

23/11/2011

Valentino lança museu virtual

Espaço online terá mais de 300 vestidos dos 50 anos de carreira do estilista

Projeto do museu virtual de Valentino (Reprodução)

Valentino Garavani (o famoso estilista dos vestidos vermelhos) e seu parceiro de longa data, Giancarlo Giammetti, estão prestes a lançar um projeto um tanto revolucionário. Trata-se do Valentino Garavani Virtual Museum, um aplicativo para computador que permite ao usuário fazer uma verdadeira imersão no universo do estilista transformado num imenso museu virtual.
Com data de lançamento prevista para o dia 5 de dezembro, o projeto vai cobrir os 50 anos de carreira do estilista responsável por vestir algumas das mulheres mais importantes do século 20. Aposentado da moda desde 2008, Valentino também está disponibilizando hoje (21/11) todo o arquivo de sua marca no site valentino-garavani-archives.org.

Site de arquivo da grife Valentino (Reprodução)

O próximo passo, então, será oferecer, a seus fãs e estudantes de moda do mundo todo, acesso irrestrito também aos mais íntimos detalhes de suas principais e mais emblemáticas criações.

Interior do museu virtual de Valentino (Reprodução)

Criado a quarto mãos, por Valentino, Giammetti e as agências NovaCom Assocei-Paris e a londrina Kinmonth-Monfreda Design Project, o museu virtual usa a mais avançada tecnologia 3-D para uma maior aproximação com a realidade. Assim, os usuários poderão “caminhar” por espaços com arquitetura típica romana (como direito até a iluminação à la chiaroscuro), numa área correspondente a quase 10.000m2. Nas diversas alas e galerias, encontram-se mais de 300 peças icônicas do estilista, as quais foram scanneadas em 360º para permitir uma inspeção mais aproximada (diz que dá para ver até detalhe de costura). Num segundo clique, ainda é possível conhecer mais sobre a história da peça em questão – quem vestiu, quando foi criado, a que coleção pertence, além de campanhas e editoriais na qual foi incluída.
E o lançamento do Valentino Garavani Virtual Museum não podia ter timing melhor. Algo interessante está acontecendo com a moda nos últimos anos. Seu status pop vem crescendo a tal ponto que as restritas salas de desfiles já não dão conta da saciar a fome do público pelo assunto. Daí (ou pelo menos em parte) o crescente número de exposições da área nos mais respeitados e importantes museus do mundo. Porém, a moda enquanto arte aplicada, isolada em cubos de vidro ou estáticas em manequins sem vida, não carrega a mesma força de expressão de quando vista ao vivo, a cores e, principalmente, em movimento.
Coco Chanel já dizia: “Uma moda que não chega às ruas não pode ser considerada moda”. Pensando por aí, a moda sem um corpo (para a vestir e a movimentar) também não pode ser considerada uma experiência fashion por completo. Justamente por isso, o novo projeto do aposentado estilista Valentino Garavani promete ser tão revolucionário. Apesar de não proporcionar uma experência real com as peças, permite uma compreensão muito mais completa do que um simples mostruário cercado com cordas de veludo. Afinal, você pode, quase que literalmente, mergulhar dentro da peça e sua história.

Materia enviada por Eneida Quadros Queiroz

Britânico cria maior pintura 3D do mundo

O resultado do trabalho de Joe Hill é uma obra de arte impressionante e vertiginosa
Você já deve ter visto uma dessas pinturas em 3D que existem por aí, mas, com certeza, nunca viu algo tão grandioso quanto o trabalho de Joe Hill.
O artista britânico entrou para o Guinness - O Livro dos Recordes por ter feito a maior pintura em 3D do mundo.
A obra tem cerca de 1.120 m² e foi desenhada no chão do centro financeiro de Canary Wharf, em Londres, na Inglaterra.
Além da pintura, alguns objetos foram colocados no local para aumentar o realismo e a sensação de vertigem.



http://noticias.r7.com/esquisitices/noticias/britanico-cria-maior-pintura-3d-do-mundo-20111118.html?question=0

expo. Quadrinhos

21/11/2011

Cem anos de arte no Brasil é o tema da exposição de reabertura do Paço Imperial

O Centro Cultural Paço Imperial, no Rio de Janeiro, reabriu suas portas ao público após as obras de reforma e modernização. Na última quinta-feira, dia 17, às 19h, o presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan, Luiz Fernando de Almeida, participou da abertura do espaço com a exposição 1911-2011 Arte Brasileira e Depois. O acervo da Coleção Itaú apresenta 186 obras de 137 artistas que dão um panorama da produção artística realizada no país nos últimos 100 anos.

A mostra já está aberta à visitação pública e permanece em cartaz até 12 de fevereiro de 2012. O curador da exposição, Teixeira Coelho, crítico de arte e curador-diretor do Museu de Arte de são Paulo – Masp, optou por criar uma série de seis módulos que funcionam como fio condutor para o visitante. Eles podem ser compreendidos isoladamente ou seguidos de ponta a ponta, traçando o caminho percorrido pela arte brasileira desde as primeiras décadas do século passado até hoje. Confira aqui um pouco mais sobre a exposição

Com um espaço arquitetônico privilegiado, o Paço Imperial tornou-se, desde a sua restauração na década de 1980, um centro de exposições e eventos que preserva a memória histórica e incorpora as inovações da cultura brasileira. Construído em 1743, foi usado como Casa dos Vice-Reis do Brasil. Com a chegada da corte de D. João VI ao Rio de Janeiro, e a elevação da colônia à condição de Reino Unido a Portugal e Algarves, o Paço se transformou em sede dos governos do Reinado e do Império. Após a Proclamação da República, o prédio foi a sede dos Correios e Telégrafos. Tombado pelo Iphan em 1938 é hoje é um dos marcos da história cultural do Rio de Janeiro.

Em 2011, mais uma vez patrocinado pelo BNDES, o Paço Imperial passou por renovação das salas de exposição, pintura e higienização. As intervenções nas fachadas e espaços internos atenderam a procedimentos de restauro estabelecidos pela Superintendência do Iphan – RJ, respeitando a preservação e construção do prédio tombado. O circuito de exposições foi modernizado e continuará dentro das normas internacionais para exposições de arte. A renovação de equipamentos e instalações da unidade museológica representa a continuidade de um programa baseado na associação entre preservação da história nacional e o processo de renovação cultural, uma característica singular brasileira.

A exposição permanente sobre a história do Paço Imperial também está sendo renovada com recursos modernos de comunicação e tratamento de imagens. Os diversos momentos do prédio serão apresentados de maneira atrativa e contextualizada, promovendo o diálogo entre o contemporâneo e a história, levando o visitante a participar, valorizar e explorar o contraste entre o passado e o presente. Atualmente, convivem no Paço Imperial, em perfeita harmonia, Aleijadinho, Joseph Beuys, Maria Clara Machado, John Cage, os Rolling Stones, Helio Oiticica e Mestre Valentim.

No primeiro andar do prédio, está instalada a Biblioteca Paulo Santos que reúne um acervo de 6 mil volumes e 200 títulos de periódicos, a maior parte especializados em arte e arquitetura luso-brasileiras. As outras salas são abertas para exposições temporárias de artes plásticas, eventos teatrais, concertos musicais, clássicos e populares, assim como para palestras e seminários relacionados às temáticas das exposições realizadas. No andar térreo, são oferecidos diversos serviços em lojas que, segundo a literatura especializada, estão localizadas no mesmo espaço onde, no século XVII, funcionava o melhor ferreiro do Rio de Janeiro. A primeira planta em escala da cidade, feita em 1713, e vestígios arqueológicos revelam no local funcionaram ainda a Casa da Moeda e o Armazém del Rei. O Paço Imperial fica na Praça XV de Novembro, 48, Centro. O endereço eletrônico é http://www.pacoimperial.com.br

Serviço
Reabertura do Centro Cultural Paço Imperial e
Exposição 1911-2011 Arte Brasileira e Depois, na Coleção Itaú
Data: De 18 de novembro de 2011 a 12 de fevereiro de 2012
De terça-feira a domingo, 12h às 18h
Entrada Franca
Local: Centro Cultural Paço Imperial
Praça XV, 48, Centro, Rio de Janeiro - RJ
Telefone: (21) 2215-1195

Mais informações
Assessoria de Comunicação Iphan
comunicação@iphan.gov.br
(61) 2024-5476 / 2024-5477
www.iphan.gov.br / www.twitter.com/IphanGovBr

Museus em Números

Museus em Números
O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) lança a publicação Museus em Números em dois volumes, oferecendo um panorama estatístico nacional e internacional do setor de museus e textos analíticos sobre a situação dos museus nas unidades federativas.
Os dados são referentes a 1,5 mil instituições museológicas brasileiras que responderam ao questionário do Cadastro Nacional de Museus (CNM) – cadastradas entre as mais de três mil instituições mapeadas em todo o país à época do levantamento de dados para a pesquisa (setembro 2010). Seguem os arquivos para baixar:
Volume 1
Volume 2 (parte 1 de 2)
Volume 2 (parte 2 de 2)

Museu Afro inaugura escultura de Zumbi no Dia da Consciência Negra

SÃO PAULO - Como parte das comemorações do Dia da Consciência Negra, o Museu Afro Brasil inaugurou neste domingo uma escultura de Zumbi dos Palmares, líder negro que resistiu à escravidão no Brasil.
Com 2,2 metros de altura, a obra é uma réplica da que se encontra na Praça da Sé, em Salvador (BA), e foi doada ao museu por sua autora, a artista plástica Márcia Magno.
Zumbi nasceu em 1655 no Estado de Alagoas. Último líder do Quilombo de Palmares, fundado em 1600 por escravos foragidos de um engenho pernambucano, Zumbi foi capturado, torturado e decapitado em 1695.
A escultura doada ao Museu Afro apresenta o líder do Quilombo de Palmares em posição de alerta, portando uma arma de defesa chamada mukwale, símbolo de poder, usada por grandes guerreiros africanos.
“O Museu Afro Brasil é um espaço de história, arte e memória. Uma obra dessa magnitude, como é a obra da Márcia Magno, é muito importante [para o museu] porque representa um ícone da história negra do Brasil”, diz Emanoel Araújo, diretor da instituição.
Além da escultura de Zumbi dos Palmares, foram inauguradas neste domingo duas exposições. A primeira delas é “Aurelino – a Transfiguração do Real”, que apresenta 100 obras do artista plástico baiano Aurelino dos Santos, que trabalha primordialmente com pinturas. “[Aurelino] é um artista muito interessante. Ele faz pinturas geométricas, cheia de símbolos e significados”, comenta Araújo.
A segunda exposição, “Brincar com Arte – o Brinquedo Popular do Nordeste”, apresenta mais de mil objetos, bonecos e miniaturas de veículos da coleção de David Glat, curador do Museu do Brinquedo Popular, na Bahia. Segundo Emanoel Araújo, são brinquedos feitos por nordestinos de diferentes etnias do Nordeste. "É uma exposição muito bonita, muito colorida.”
Ainda como parte das comemorações do Mês da Consciência Negra, a Pinacoteca do Estado, o Museu de Arte Sacra e o Museu da Língua Portuguesa oferecerão ao público a programação temática “Africanofagias Paulistanas”, que destaca a presença africana na história da cidade de São Paulo.
O Museu Afro Brasil localiza-se no Parque Ibirapuera, na capital paulista e pode ser visitado de terça-feira a domingo, das 10h às 17h. A entrada é franca. As duas exposições serão encerradas em abril do próximo ano. Mais informações no site do museu.


(Agência Brasil)




Eleições COFEM E COREM 2ª. REGIÃO

Reproduzo aqui o e-mail recebido do COREM:



BOLETIM INFORMATIVO ELEIÇÕES:

PREZADO (A) MUSEÓLOGO (A),
NOS DIAS 08 E 09 DE DEZEMBRO DE 2011, DAS 9h às 17h, ESTAREMOS EM PERÍODO DE ELEIÇÕES PARA O COFEM E COREM 2ª REGIÃO, CONFORME DETERMINADO EM RESOLUÇÃO Nº (03/2011) PUBLICADO EM (30 de setembro de 2011) PELO CONSELHO FEDERAL DE MUSEOLOGIA.

OS CANDIDATOS AO COFEM SÃO:
MÁRCIA FERREIRA NETTO – 0196-I
RITA DE CÁSSIA DE MATTOS – 0064-I
OS CANDIDATOS AO COREM SÃO:
CLAUDIO NELSON OLIVEIRA BARBOSA – 0453-I
LILIANE BISPO DOS SANTOS – 0830-I
MAGDA BEATRIZ VILELA – 0391-I
MÔNICA SALEM DE ZAIYAS – 0411-I
NANCY CORRÊA PLONCZYNSKI – 0326-I
NEWTON FABIANO SOARES – 0842-I
TATIANA AVELINO DE SOUZA PEREIRA – 0625-I

NÃO SE ESQUEÇA O VOTO É OBRIGATÓRIO, DE ACORDO COM A RESOLUÇÃO COFEM 01/2002, O REGIME INTERNO DO COREM 2ª REGIÃO, CAPÍTULO VI, SESSÃO III, ART. 23º, FICARÁ O MUSEÓLOGO SUJEITO ÀS PENALIDADES PREVISTAS, POR FALTA INJUSTIFICADA A ELEIÇÃO (PRAZO PARA JUSTIFICAR A FALTA: 60 DIAS CONTANDO DA DATA DAS ELEIÇÕES) AS JUSTIFICATIVAS DEVERÃO SER FEITAS ATRAVÉS DE DOCUMENTO COMPROBATÓRIO E ENVIADO POR CARTA REGISTRADA. A MULTA ELEITORAL EQUIVALE A 30% DA ANUIDADE. SÓ PODERÃO VOTAR OS MUSEÓLOGOS QUE ESTÃO EM DIA COM A TESOURARIA ATÉ O DIA DO PLEITO E COM SUAS OBRIGAÇÕES JUNTO AO COREM.
A SEDE DO COREM 2ª REGIÃO, SITUADA À RUA ÁLVARO ALVIM, Nº 48, SALAS 403/404, CENTRO DA CIDADE, RIO DE JANEIRO, ESTARÁ FUNCIONANDO SEM INTERVALOS DURANTE OS DIAS E HORÁRIOS ANUNCIADOS.
 QUALQUER DÚVIDA ENTRE EM CONTATO COM A SECRETARIA DO CONSELHO, PELO TELEFONE 2233-2357.
  CONTAMOS COM A SUA PRESENÇA.

ATENCIOSAMENTE,
DIRETORIA – COREM 2ª REGIÃO – RJ/MG/ES

Museu do Holocausto inaugurado em Curitiba

Primeiro museu do holocausto do Brasil é aberto em Curitiba
Criado pela associação judia Casa de Cultura Beit Yaacov, a exposição tem documentos, fotografias e objetos históricos da época da Segunda Guerra Mundial.
O principal objetivo dos organizadores é que o novo museu tenha uma função pedagógica, para que nunca seja esquecido o genocídio de judeus executado pelo regime nazista.
Confira o Vídeo!

20/11/2011

Niemeyer cria teatro para o Aterro e mostra novos projetos



RIO - Oscar Niemeyer completará 104 anos em 15 de dezembro. Avesso a comemorações, prevê receber amigos em seu escritório, em Copacabana, para o lançamento do 11 número de "Nosso Caminho", revista trimestral e trilíngue (português, espanhol e inglês) que criou e a que se dedica com especial carinho. A edição trará novos projetos do arquiteto, que continua passando as tardes fazendo os traços originais daqueles que levam sua assinatura.

Dentre as mais recentes criações está uma que provocará polêmica: o Teatro Musical Rio’s, um enorme espaço destinado a shows e musicais, situado no Parque do Flamengo, com uma cúpula que dialoga com as curvas do Pão de Açúcar. O projeto foi encomendado pelo Brasil Foodservice Group (BFG), que controla a rede de churrascarias Porcão, cuja unidade no parque continuará existindo ao lado do teatro no caso de ele ser mesmo construído.

Idealizado pela urbanista Lota Macedo Soares, o parque feito sobre o Aterro do Flamengo é tombado pelo patrimônio público desde 1965. Isto significa que só pode passar por qualquer alteração se o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) autorizar.

Os planos de modificação da Marina da Glória visando aos Jogos Panamericanos de 2007, por exemplo, foram vetados porque dificultavam a vista do Pão de Açúcar. Em maio passado, o empresário Eike Batista conseguiu, mesmo sob protesto dos ambientalistas, ter aprovada sua reforma para a Marina, argumentando que muitas instalações ficarão no subsolo da edificação, poupando a paisagem.

O BFG ainda não quer falar sobre o teatro, pois está preparando a documentação necessária para apresentar seus planos ao Iphan e à Prefeitura do Rio, proprietária do terreno. Atendendo a pedido de seu cliente, o escritório de Niemeyer não comenta o projeto, que está na fase de estudos preliminares.

A obra prevê uma plateia de 2 mil lugares e um balcão com mais 500, além de camarotes. No térreo, um auditório para eventos e um salão de exposições. Na revista "Nosso Caminho", há um comentário de Niemeyer:

"Fiquei muito entusiasmado, desde o primeiro momento, em conceber um novo espaço destinado a espetáculos musicais. E logo me ocorreu uma solução capaz de provocar surpresa e atrair o público: uma cúpula magnífica a ser construída ao lado do restaurante, localizando-a em frente ao Pão de Açúcar."

Se vingar, o teatro será uma das principais obras do arquiteto na cidade, ao lado do Sambódromo e dos Cieps. Por sua natureza, o parentesco maior será com o Museu de Arte Contemporânea de Niterói.

Quando pertencia aos irmãos gaúchos Mocelim, a rede Porcão travou uma disputa com o Garcia & Rodrigues pelo restaurante do Parque do Flamengo. Hoje, ambos pertencem ao BFG. Em 2012, será inaugurado um Porcão onde era o Garcia, que irá para outro endereço no Leblon.

Harmonia com a natureza

Outra novidade é o projeto de uma casa em Londres, pensada para ser um exemplo de beleza e convivência harmônica com a natureza sob a ótica da arquitetura modernista. A encomenda foi feita por Julia Peyton-Jones, diretora da Serpetine Gallery — que já pedira a Niemeyer um pavilhão em 2003, montado no Hyde Park. A obra deve acontecer em 2012, e o projeto guarda afinidade com a Casa das Canoas, criada em 1952 para ele mesmo morar.

— São duas residências que foram projetadas com extremo apuro, de modo a sublinhar a leveza de suas formas e o modo singular de integração com a natureza — diz Niemeyer, em resposta enviada por escrito.

Em agosto, começaram as obras da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila), em Foz do Iguaçu. A primeira etapa vai até o fim de 2013. A instituição quer iniciar em seguida a fase final.

— Será um espaço onde alunos e professores de distintas nacionalidades poderão realizar trocas sociais significativas — acredita Niemeyer.

Na nova "Nosso Caminho", o arquiteto lembra o amigo Vinicius de Moraes no texto "Num teatro em Paris" — "como era bom e afetuoso este velho companheiro, a nos contar, animado, sua vida cheia de alegrias e flores!". Em depoimentos à jornalista Regina Zappa, o compositor Edu Lobo e o cineasta Miguel Faria Jr. também recordam o poeta. Ainda há um texto do escritor uruguaio Eduardo Galeano, "Haiti, país ocupado".

Sobre a chegada dos 104 anos, Niemeyer procura não torná-la especial:

— O futuro se revela problemático e incerto para todos nós. A vida é um sopro, não canso de repetir. O que ainda nos conforta é ter a nosso lado uma mulher, uma boa companheira (Vera). O resto, conforme já confessei a amigos de "O Pasquim", seja o que Deus quiser...




Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/cultura/niemeyer-cria-teatro-para-aterro-mostra-novos-projetos-3277341#ixzz1eIhFuohE
© 1996 - 2011. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Efeitos do "Museus em Número"

Essa semana vimos a notícia sobre o lançamento da publicação "Museus em Número" do IBRAM. Hoje é capa do caderno de cultura do principal jornal da Paraíba uma matéria sobre museus, provocada pela publicação do IBRAM.

E o museu o que é? Um espaço de educação informal, de preservação da história e cultura de um povo. Lugares que abrigam sonhos, sentimentos, valores e, por isso mesmo, conhecimento. Na Paraíba, viver no interior é ficar longe e privado de tudo isso.

Segundo o levantamento 'Museus em Números' feito pelo Instituto Brasileiro dos Museus (Ibram), e divulgado na última quinta, 34,9% das instituições existentes na Paraíba estão localizados em João Pessoa. Em números brutos, são 63 em todo o Estado e 22 na capital.

Não dá pra saber o que a provocação pode causar de mudança na realidade, mas já é um começo.

http://jornaldaparaiba.com.br/noticia/70395_comprimindo-os-espacos-da-cultura

17/11/2011

Exposição conta a história dos videogames

A mostra está no Museu da Imagem e do Som. São mais de cem games espalhados em dois andares. O que não falta é atração para os apaixonados por games. O Atari foi um o primeiro game que fez sucesso entre a garotada.
Assista o Vídeo!

Instrumento para proteção do patrimônio museológico aprovado pela Unesco

O governo brasileiro apresentou proposta de resolução para criação de instrumento normativo para a Proteção e Promoção do Patrimônio Museológico e Coleções.

O documento foi defendido pelo presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC), José do Nascimento Junior, durante a reunião da Comissão de Cultura da 36º Conferência Geral da Unesco, realizada em Paris, França, na primeira semana de novembro.

A proposta foi apoiada por 30 países e, agora, o Ibram irá coordenar o processo de construção do instrumento normativo que visa o desenvolvimento, pelos países membros da Unesco, de políticas públicas para a área museológica.

Como primeira missão, o Ibram e a Unesco irão organizar uma reunião com especialistas internacionais da área de patrimônio museológico para discutir o tema. O encontro está previsto para 2012 e será realizado no Brasil. A criação desse instrumento normativo havia sido aprovada anteriormente pelos ministros de países ibero-americanos na XIV Conferência Ibero-americana de Cultura, realizada no Paraguai.

Durante a Conferência Geral, o Brasil também foi um dos 15 países eleitos para compor o comitê executivo de criação do Museu da Civilização Egípcia, que será patrocinado pela Unesco e construído no Cairo.

http://www.museus.gov.br/noticias/unesco-aprova-proposta-brasileira-de-instrumento-para-protecao-do-patrimonio/

11/11/2011

Museu londrino apresenta a maior exposição sobre Leonardo Da Vinci

A National Gallery após 4 anos conseguiu reunir 60 obras do artista, que estavam espalhadas por dez países. Público poderá admirar mais da metade das pinturas remanescentes até 5 de fevereiro.
Assista o Vídeo!

10/11/2011

Verba destinada ao Ministério da Cultura pode cair 16% em 2012, na maior redução da última década

RIO - Os investimentos federais em cultura no Brasil podem ser reduzidos em 2012, o que representaria a segunda queda consecutiva num setor que sempre foi considerado o patinho feio dos governos, mas que ganhou algum prestígio durante a presidência de Luiz Inácio Lula da Silva. Enviado ao Congresso no fim de agosto, o projeto da Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2012 indica uma redução de 16% nas verbas destinadas ao Ministério da Cultura (MinC), a maior queda dos últimos dez anos.

O orçamento da pasta vinha de sete anos seguidos de alta nas duas gestões Lula, mas teve uma redução justamente no primeiro orçamento feito para o governo de Dilma Rousseff, passando de R$ 2,29 bilhões em 2010 para R$ 2,13 bilhões em 2011. Já para o ano que vem, o valor previsto pelo governo para o MinC é ainda menor: R$ 1,79 bilhão. Os responsáveis pelo ministério acreditam que a verba será aumentada no Congresso pelas emendas parlamentares, mas deputados ouvidos pelo GLOBO lembram que a falta de apoio da ministra Ana de Hollanda junto aos movimentos culturais e a baixa execução orçamentária do MinC em 2011 podem dificultar as negociações e prejudicar a Cultura.

O primeiro orçamento do MinC no início da gestão petista, em 2003, foi de R$ 397,4 milhões. Já no último ano do segundo mandato de Lula, chegou a R$ 2,29 bilhões, um valor mais robusto, mas ainda longe da promessa inicial do ex-presidente de que elevaria os investimentos da pasta para 1% do orçamento da União: incluindo gastos com pessoal, custeio e investimentos, em 2003 o percentual do MinC era de 0,08% do total; em 2010, foi de 0,23%.

Os movimentos culturais esperavam que a tendência de alta continuasse no governo Dilma. Sobretudo porque, durante a campanha presidencial de 2010, a então candidata recebeu apoio público de artistas e intelectuais num encontro no Teatro Casa Grande, no Rio. Entre outros, estiveram presentes Chico Buarque, Oscar Niemeyer, Elba Ramalho e Alceu Valença. Mas nem isso evitou a queda.

O MinC, por sua vez, acredita que a rodada de negociações no Congresso para a votação da LOA, em dezembro, aumentará a previsão orçamentária da pasta por meio das emendas parlamentares, como tem ocorrido nos últimos anos. Seu secretário-executivo, Vitor Ortiz, fala na possibilidade de emendas entre R$ 300 milhões e R$ 600 milhões. O problema é combinar com os parlamentares. O assunto é tratado com reservas em Brasília, mas os boatos de que Ana de Hollanda não se manterá no cargo após a primeira reforma ministerial, esperada para janeiro, devem dificultar as conversas com o Congresso. Além disso, Ana foi bastante criticada no primeiro semestre por frear a condução da reforma da Lei do Direito Autoral.

- A ministra foi muito maltratada injustamente no início da gestão. Isso a colocou numa situação recuada em relação ao parlamento - diz o deputado federal Raul Henry (PMDB-PE), integrante da Frente Parlamentar da Cultura. - A postura defensiva da ministra dificulta na briga por mais investimentos. As bancadas querem ajudar, mas ela precisa mudar de atitude, precisa buscar mais articulação. O orçamento é uma guerra, e, se ela não se articular com os movimentos culturais e com os deputados, ela não vai conseguir alterar o valor atual.

Mais um ponto que deve prejudicar a atuação de MinC junto ao Congresso é a taxa de execução do orçamento da pasta. Os números consolidados do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal indicam que o MinC empenhou apenas 20,9% de seu orçamento para custeio e investimentos até o fim de setembro. O percentual é o menor da pasta nos últimos cinco anos para o mesmo período, e fica bem abaixo da média do Poder Executivo em 2011, que até setembro estava em 66%.

- A gestão atual do MinC é inábil e não consegue visualizar quais campos podem crescer. Falta solidez política e há incapacidade de gestão - diz Pablo Capilé, do grupo Fora do Eixo, uma rede de coletivos de cultura. - Além disso, a relação com a sociedade civil é ruim. O diálogo é fraco. Vamos entrar em 2012 com o cenário de um MinC fragilizado, de um orçamento menor e com a sociedade civil insatisfeita.

O secretário-executivo do MinC, contudo, espera não apenas que o orçamento cresça no Congresso como atribui a redução no projeto da LOA a um novo modelo de gestão do governo.

- Embora o número que temos agora para 2012 seja inferior ao número deste ano, eu garanto que é um orçamento melhor. Acontece que o orçamento do ano que vem vai passar por uma nova metodologia de gestão do governo federal - argumenta Ortiz. - A gente trabalhava com mais folgas no orçamento, superestimando as receitas federais. Agora vamos trabalhar dentro de um quadro mais realista.

Outros ministérios, porém, mesmo com o novo modelo de gestão indicado por Ortiz, tiveram alta na LOA para 2012. O projeto prevê, por exemplo, aumento de 13% na Educação e de 11% na Saúde.

- Todo governo tem prioridades, e é daí que vêm as variações de cada pasta - diz Ortiz. - Sobre a execução do MinC em 2011, acontece que a maior parte de nossos investimentos é feita a partir de editais. Eles estão lançados, mas os empenhos só podem ser feitos depois que houver todo o processo de licitação, o que costuma ocorrer em novembro e dezembro. Em 2010, a execução deve ter sido acelerada por causa das eleições. Hoje estamos num fluxo normal e vamos chegar até dezembro com 90% do orçamento empenhados.

A elaboração do projeto da LOA de 2012 também traz uma novidade para o MinC: R$ 300 milhões, 16% do total, estão reservados para praças esportivas e culturais do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

- As praças terão equipamentos de esporte, mas também terão bibliotecas, salas de espetáculo e áreas de oficina. A meta é implantar 800 delas até 2014 - afirma Ortiz. - A gente está preocupado em qualificar a gestão. Ninguém mais reclama que o MinC não paga isso ou aquilo. Não há um edital na rua que não tenha recurso guardado para pagar todo mundo. Isso vai fazer diferença na qualificação do resultado final. Não dá para se ter uma ideia maravilhosa, idealista do que são os investimentos na Cultura e depois o resultado não ser o prometido.


Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/cultura/mat/2011/11/10/verba-destinada-ao-ministerio-da-cultura-pode-cair-16-em-2012-na-maior-reducao-da-ultima-decada-925775525.asp#ixzz1dJVlxPVJ 
© 1996 - 2011. Todos os direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. 

09/11/2011

Acadêmicos da Museologia

VOCÊ SABIA?
Que há quase dois anos nós alunos de Museologia da UNIRIO estamos sem a nossa própria representatividade, que é o Diretório Acadêmico de Museologia? Estamos sem voz diante das questões acadêmicas que dizem respeito a nós mesmos enquanto estudantes de Museologia da UNIRIO.
CHEGA DE DESCASO.
VOTE.
AS ELEIÇÕES SÓ VÃO ATÉ SEXTA-FEIRA!
CONHEÇA AS NOSSAS PROPOSTAS.

07/11/2011

Mercosul terá patrimônio cultural reconhecido

Decisão tomada no Uruguai será levada à próxima Reunião de Ministros da Cultura do MERCOSUL. A Ponte Internacional Mauá, na fronteira do Brasil com o Uruguai serviu de estudo de caso.
Durante a última reunião da Comissão de Patrimônio Cultural do MERCOSUL – CPC, realizada em Montevidéu, no Uruguai, nos dias 26 a 28 de outubro de 2011, foi aprovada por unanimidade pelos países participantes – Argentina, Bolívia, Brasil, Equador, Paraguai, Uruguai e Venezuela – a proposta apresentada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan, a partir das reuniões técnicas realizadas com a Comisión de Patrimonio Cultural de la Nación, de Uruguai, em Jaguarão, em setembro, que tomou como base de análise o caso da Ponte Internacional Mauá, na fronteira entre os dois países. A proposta será levada para a Reunião de Ministros da Cultura do MERCOSUL para aprovação e encaminhamento ao Conselho do Mercado Comum – CMC, para uma tomada de decisão de todo o bloco.
A CPC aprovou também a postulação do Brasil e do Uruguai de apresentar a candidatura da Ponte Internacional Mauá para ser o primeiro bem cultural a ser avaliado para reconhecimento. A proposta é que essa avaliação seja feita na próxima presidência protempore brasileira, que ocorrerá no segundo semestre de 2012. Foram considerados critérios para o reconhecimento do Patrimônio Cultural do MERCOSUL qualquer bem cultural, material e imaterial, que manifeste os valores que estejam associados a processos históricos vinculados aos movimentos de autodeterminação ou expressão comum da região perante o mundo; expresse os esforços de união entre os países da região; esteja diretamente relacionado a referências culturais compartilhadas por mais de um país da região; e possa oferecer, no presente ou no futuro, fator de promoção para a integração dos países.
Esse reconhecimento será realizado conforme procedimento específico no âmbito da CPC e deverá ser homologado pela Reunião de Ministros da Cultura da região – RMC.

http://portal.iphan.gov.br/portal/montarDetalheConteudo.do?id=16292&sigla=Noticia&retorno=detalheNoticia

06/11/2011

Visitas virtuais a museus

Dica de site que reúne links para visitas virtuais a museus: http://www.eravirtual.org/

Carta Capital

Foi publicado num blog de um dos integrantes da Carta Capital um texto sobre a construção do Museu do Amanhã e a relação do poder público com os museus existentes no Rio de Janeiro (fonte: http://www.cartacapital.com.br/blog/cultura/amanha-sim-e-ontem-2). Considero o texto pavoroso, por criar argumentações falaciosas, acusar museus muito bem geridos (como o Museu Histórico Nacional) de "falta de boa gestão" e, além de tudo, julgar o que vem a ser um bom museu com base na existência e livraria, café, marketing e uso de novas mídias.

P.S: Infelizmente o layout do blog tem atrapalhado a inserção de matérias de jornais diretamente aqui, por isso tenho optado por divulgar as matérias através de seus próprios links .


Atualização: meu comentário deixado na matéria (criticando) tem sido sistematicamente deletado.

04/11/2011

Casarão foi demolido em uma noite


Matéria do Estadão sobre a demolição-relâmpago de um casarão na Paulista: http://blogs.estadao.com.br/jt-cidades/casarao-foi-demolido-em-uma-noite/





Uma antiga - e assustadora- matéria da Reviosta Veja em defesa de demolições na Paulista pode ser acessada em: http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=1021251



03/11/2011

Faxineira destrói obra de arte na Alemanha ao tentar limpá-la

EFE - BERLIM

Obra de Kippenberger: mancha de cal despertou atenção de faxineira - Bernd Thissen /EFE
Bernd Thissen /EFE
Obra de Kippenberger: mancha de cal despertou atenção de faxineira

Com o intuito de realizar seu trabalho com perfeição e deixar impecável a sala pela qual era responsável, uma funcionária da limpeza de um museu alemão deteriorou parcialmente e de maneira irreparável uma obra do artista germânico Martin Kippenberger (1953-1997), comunicou nesta quinta-feira a direção do Museu Ostwald de Dortmund, ao oeste da Alemanha.

A peça integra o acervo permanente da instituição e é composta por uma torre de pranchas de madeira em cuja base há um recipiente de borracha com uma grande mancha de cal branca.

Pensando em acabar com a mancha, a empregada eliminou totalmente essa característica da obra, para o desgosto da direção do museu, que informou que o dano é irreversível.

Um porta-voz da galeria ressaltou que todas as funcionárias da limpeza são minuciosamente instruídas sobre seu trabalho e advertidas sobre quais peças não devem tocar de forma alguma.

"É como acontece nas casas, quando dizemos: 'limpe tudo, mas não toque na mesa do escritório'", disse Dagmar Papajewski, porta-voz do Departamento de Cultura de Dortmund, acrescentando que o caso está sendo analisado pela companhia de seguros.

Em 1986 uma faxineira apagou do teto de uma sala a já famosa "Mancha de Gordura" de Joseph Beuys (1921-1986) na Academia das Artes de Dusseldorf, dano que o estado da Renânia do Norte-Vestfália compensou com o pagamento de 20 mil euros.


FONTE: http://www.estadao.com.br/noticias/arteelazer,faxineira-destroi-obra-de-arte-na-alemanha-ao-tentar-limpa-la,794240,0.htm


expo: A Noviça Rebelde

Exposição austríaca mostra a história verdadeira de 'A Noviça Rebelde'
Mostra tem seção histórica sobre a família Von Trapp, que inspirou o filme.
Incompatibilidades históricas fizeram Áustria ignorar o musical.

Sequências como a da atriz Julie Andrews cantando para os filhos do capitão Georg von Trapp criaram o mito, mas, por trás do filme "A Noviça Rebelde", está a história real de uma família de artistas, contada por uma exposição no Museu de Salzburgo, na Áustria.
A mostra "A Família Von Trapp: Realidade e 'A Noviça Rebelde'', sobre o fenômeno cultural que nasceu com o musical dirigido por Robert Wise pode ser visitada a partir desta sexta-feira (04) no museu austríaco.
Dividida em duas partes, a mostra tem uma seção sobre o aspecto histórico, com fotos e objetos da família, uniformes e instrumentos musicais, além de uma seção para as relíquias das filmagens da fita de 1965 e de sua vida nos Estados Unidos, onde eram conhecidos como 'Trapp Family Singer'.
"Não houve nenhuma cidade com mais de 50 mil habitantes nos Estados Unidos na qual não tenhamos atuado", lembrou nesta quarta-feira (02) em Salzburgo Johannes von Trapp, o filho mais novo de Maria, a matriarca da família interpretada por Julie Andrews.
Aberta até novembro de 2012, a exposição reúne cerca de 180 objetos vindos de diversas coleções europeias e americanas, em muitos casos ainda inéditas. Ela percorre a carreira militar do barão Georg von Trapp, seu casamento com Maria Augusta Kutschera, a fuga do nazismo para os EUA e o sucesso musical da família.
A história real difere da contada não só pelo clássico americano, mas também pela obra original da produtora alemã UFA - 'Die Trapp-Familie' (A Família Von Trapp) (1956) -, assim como pelo posterior musical da Broadway.
Este é um motivo pelo qual, mesmo tendo ganhado cinco Oscar e sendo o terceiro filme de maior bilheteria da história, a Áustria ignorou o sucesso de "A Noviça Rebelde".
"A exposição não é só para turistas, já que foi concebida explicitamente para o público de Salzburgo", explicou o diretor do Museu de Salzburgo, Erich Max, à agência de notícias 'Apa'.
Para ele, as razões pelas quais o público austríaco rejeitou a história contada pelo cinema são as incompatibilidades históricas - tanto cronológicas como geográficas -, bem como a pouca relevância das pressões nazistas que obrigaram os Von Trapp a emigrar para os Estados Unidos.

http://g1.globo.com/pop-arte/noticia/2011/11/exposicao-austriaca-reune-mitos-e-verdades-de-a-novica-rebelde.html

02/11/2011

vídeo Museus - youtube

Bonitinho mas ordinário... vídeo do youtube sobre museu e museologia.
"O Conselho Nacional de Museus - ICOM, define como museu toda instituição permanente sem fins lucrativos, aberta ao público, que adquire, conserva, pesquisa e expõe coleções de objetos de carater cultural ou ciêntífico, para fins de estudo, educação e entreterimento. Pode-se dizer que o museu é um lugar vivo e dinâmico, onde a tradição pode ser conhecida, percebida, questionada e reinventada. Visitar um museu é descobrir e tentar estabelecer relações entre o acervo e sua própria época. Afinal, o que se construiu ontem reflete no hoje, possibilitando que o indivíduo tenha maior interação com a realidade em que vive, que seja capaz de interpretá-la, o que faz com que exerça seu papel de cidadão na sociedade."
Assista o vídeo!

Ocorreu um erro neste gadget