31/07/2012

A "capsula do tempo" que intriga historiadores


Uma misteriosa cápsula do tempo vem intrigando pesquisadores. O resquício é uma caixa de madeira revestida internamente de chumbo, encontrada em meio às obras na zona portuária do Rio, e agora está aos cuidados do Laboratório de Restauração da Fundação Biblioteca Nacional (FBN/MinC). Datada de agosto de 1871, o material estava numa caixa de madeira na pedra fundamental das docas de Pedro II, localizadas no Parque Noronha Santos, na Praça XI, centro do Rio, e continha um exemplar do Diário Oficial da época. Resta aos pesquisadores investigarem o porquê.

Para aumentar o mistério, uma consulta ao acervo da instituição verificou que tal edição não faz qualquer menção à caixa – tratando apenas de transações comerciais do governo à época.

Segundo o site da Biblioteca Nacional, o material ainda deverá ser submetido a uma irradiação de cobalto 60.

“O processo tem como objetivo eliminar uma proliferação de micro organismos e deve acontecer no Instituto de Pesquisas Nucleares, em São Paulo”, conta Jayme Spinelli, coordenador de preservação da FBN. Só assim, os pesquisadores ficarão à vontade para investigar as razões que levaram à escolha do material para preservação e o seu real conteúdo.

Fonte: http://opiniaoenoticia.com.br/cultura/a-capsula-do-tempo-que-intriga-historiadores/

O PÚBLICO CANTA! VOZEZ DO FESTIVAL DE 67 (EXPOSIÇÃO CURRICULAR)


30/07/2012

Atletas de cera viram atração à parte em Londres

Inglaterra - O museu de cera mais conhecido do mundo também se rendeu aos Jogos Olímpicos. Localizado na região central de Londres, Madame Tussauds é um dos lugares mais visitados pelos turistas e conta com centenas de réplicas das mais variadas personalidades. Mesmo com apenas um atleta olímpico da atualidade, os esportistas estão entre os que mais têm feito sucesso na casa.

'Bolt' é um dos mais requisitados no museu | Foto: André Mourão / Agência O Dia

Brad Pitt, Jennifer Lopez, Tom Cruise, Amy Winehouse, Michael Jackson, Barack Obama e até mesmo a Família Real do Reino Unido têm suas cópias fiéis nos salões do museu. No entanto, o velocista jamaicano Usain Bolt, que conquistou três medalhas de ouro em Pequim, em 2008, virou atração à parte.

Ao lado de nomes como o jogador David Beckham, Cristiano Ronaldo, o tenista Rafael Nadal e o piloto da Fórmula 1 Lewis Hamilton, o recordista mundial nos 100m rasos é o preferido dos visitantes, ansiosos para posar com o tradicional gesto feito pelo atleta.

Com direito a camisa do Brasil, o casal baiano Carlos Alberto e Bianca Souza não perdeu a oportunidade de registrar a visita. Eles, que estão na cidade para acompanhar os Jogos Olímpicos, se encantaram com o lugar e brincaram com as estátuas.

“Queremos acompanhar algumas competições da Olimpíada, mas há tempos a gente queria conhecer o museu de cera. Estou impressionado com a perfeição e os detalhes. Usain Bolt tem muito carisma e, mesmo jamaicano, veste verde e amarelo”, lembrou Carlos Alberto.

Já a namorada, que não deixou por menos, preferiu realizar o sonho de ‘conhecer’ David Beckham. Azar de Carlos Alberto, que teve de assistir Bianca abraçada ao veterano jogador inglês.

“Ele é muito bonito e, já que estou no museu, não custa nada tirar uma foto ao lado do Beckham. E o melhor é que meu namorado não é ciumento”, brincou.

“A sorte é que de cera”, respondeu Carlos Alberto.

O Madame Tussauds tem oito filiais pelo mundo. Além da sede em Londres, existe em Nova York, Washington, Las Vegas, Hollywood, Berlim, Amsterdam, Hong Kong e Shanghai.

Ninguém reconhece o Rei Pelé na versão de cera

De todas as celebridades e personalidades lembradas pelo museu de cera Madame Tussauds, apenas um brasileiro é homenageado com uma réplica. A estátua de Pelé, no entanto, deixou os visitantes confusos, já que o maior jogador de futebol de todos os tempos aparece em uma versão muito mais jovem.

“Quem é esse?”, perguntou um menino para o pai, que não soube responder e teve de ler a placa que identificava as esculturas. A brasileira Sueli Quintanilha, que circulava pelos salões com a família, também ficou em dúvida ao ver a cópia.

É o Rei? Versão de Pelé não tem agradado | Foto: André Mourão / Agência O Dia

“Não está parecido com o Pelé. Chega a ser engraçado. Devem ter feito essa estátua há muito tempo, pois ele está mais velhinho agora”, brincou a pernambucana.

O museu Madame Tussauds vai muito além das centenas de esculturas de cera. Por aproximadamente R$ 90, o visitante tem acesso a um roteiro completo de diversão. Além das réplicas, um corredor do horror, um cinema 4D e uma volta de ‘táxi’ para conhecer a história da Grã-Bretanha estão incluídos.

Depois de alguns salões com diversas esculturas, o visitante chega à área do medo, um corredor escuro com diversos atores maquiados posicionados estrategicamente para assustar os passantes. O passeio continua pela área dos super-heróis e uma sala de cinema 4D passa um filme de cerca de dez minutos. Ventos e água só aumentam a sensação de realidade.

http://marcabrasil.ig.com.br/esportes_olimpicos/html/2012/7/atletas_de_cera_viram_atracao_a_parte_em_londres_41486.html

expo. curricular Festival de 67 - UNIRIO


expo. Arte Barroca - MHN


27/07/2012

Encontro Internacional Museus de Cidade

20 a 24 de agosto de 2012 no Memorial Getúlio Vargas RJ
Gratis
"Encontro Internacional Museus de Cidade:A cidade como objeto e agente de representação e transformações sociais"
De 20 a 24 de agosto, acontecerá no Rio de Janeiro, no auditório do Memorial Getúlio Vargas o Encontro Internacional Museus de Cidade, iniciativa da Gerência de Museus da Secretaria Municipal de Cultura. O principal objetivo do evento é propor a discussão pública sobre o papel assumido pelos Museus de Cidade no mundo frente às complexas demandas e à ação de novos agentes na vida dos grandes centros urbanos. Representantes de instituições nacionais e internacionais estarão presentes durante a semana do evento, que é gratuito. As inscrições podem ser feitas pelo e-mail: eimc2012.inscricoes@gmail.com

O Encontro Internacional Museus de Cidade visa à reflexão sobre as diretrizes que orientam os novos projetos de museus nas principais cidades do mundo e se propõe a traçar um panorama amplo sobre o tema e as questões paradigmáticas a ele associadas. Para isso será reunido um grupo de interlocutores qualificados, brasileiros e estrangeiros com ampla experiência na elaboração e gestão de projetos na área.

O EIMC é parte do projeto de reestruturação do Museu Histórico da Cidade do Rio de Janeiro e também oportunidade para consolidar as diretrizes que norteiam a proposta de revitalização deste espaço cultural tão significativo para a cidade, que atualmente passa por obras de restauro e em breve será entregue à população carioca.

A troca de experiências será fundamental para estimular a reflexão, sendo parte fundamental da estratégia do Encontro. O diálogo entre profissionais com experiência tão variada com certeza irá fortalecer o conceito de Museus de Cidade em território brasileiro e contribuir para a construção de uma fértil rede de parcerias.

Além do fato de que em 2015, entre a Copa do Mundo e as Olimpíadas, nossa cidade comemorará os 450 anos de sua fundação. E contemporaneamente, a cidade aparece como núcleo de um dos mais emblemáticos projetos de transformação urbana em curso – o Porto Maravilha –, parte do movimento de requalificação da cidade como pólo cultural do País. Além de promover alterações na paisagem carioca, todos estes acontecimentos farão confluir para a cidade milhares de pessoas interessadas em conhecer mais sobre nossa história, cultura e sociedade.

As conferências prosseguem durante toda a semana, abordando temas específicos, em duas sessões distintas: uma enfocando questões históricas e outra colocando em perspectiva desafios contemporâneos a ele relacionados. O evento se encerra trazendo profissionais com experiências variadas para discutir desafios relacionados ao tema “Gestão e Sustentabilidade”.

Os convidados internacionais confirmados são: Fatma Suay Aksoy (Istambul, Turquia); Jack Loman (Victória, Canadá), Jette Sandahl (Copenhagem, Dinamarca), Jorge Humberto Melguizo Posada (Medelin, Colômbia), Josephine Rainey Tisdal (Boston, Estados Unidos), Maria Mouliou (Atenas, Grécia) e Mario Moutinho (Lisboa, Portugal). Entre os convidados nacionais teremos Alexandre Pimentel (RJ), Ana Carla Fonseca Reis (SP), Antonio Motta (PE), Jose Guilherme Cantor Magnani (SP), Maria Cristina Bruno (SP), Maria Ignez Mantovani Franco (RJ), Mario Chagas (RJ) e Thais Velloso Cougo Pimentel, entre outros.

Todas as palestras serão gravadas e transcritas. Alguns trechos serão disponibilizados no site do evento. A previsão de público é de 200 participantes por dia no encontro presencial e aproximadamente 1.000 pessoas através do site.  Serviço:

"Encontro Internacional Museus de Cidade (EIMC): A cidade como objeto e agente de representação e transformações sociais"

De 20 a 24 de agosto de 2012 no Rio de Janeiro;Auditório do Memorial Getúlio Vargas
End: Praça Luís de Camões s/nº - subsolo – Glória - Tels: (21) 2237-5234
Horário: 14h às 19h30 (30 senhas serão distribuídas diariamente para o telão)
E-mail para inscrições: eimc2012.inscricoes@gmail.com
Telefone para informações: (21) 2976-1245
Site: www.eimc2012.com.br.

Programação:
20/08
Abertura oficial: Museus e Cidades
Eixo de trabalho: Representação

21/08
Eixo de trabalho: Curadoria

22/08
Eixo de trabalho: Acervo

23/08
Eixo de trabalho: Público

24/08
Eixo de trabalho: Gestão e Sustentabilidade.

Realização:
Museu Histórico da Cidade do Rio de Janeiro
Gerência de Museus
Coordenação de Museus, Centros Culturais e Artes Visuais
Cooperação Nacional:
ICOM-BR;
Cooperação Internacional:
CAMOC – Comitê Internacional de estudos de Museus de Cidades.


Informações para a Imprensa:
Adriana Sanglard - adrisanglard@gmail.com
(21) 8864-8616 / 3472-1417

Angela Tostes – angela-tostes@uol;com.br
(21) 9769-5056 / 2537-7912

20/07/2012

Rio Cidade-Paisagem (FBN)

Exposição trata do tema Rio Cidade-Paisagem

A cidade do Rio de Janeiro e suas transformações são cenários de exposição na FBN

Brasília – A Baía de Guanabara, a Floresta da Tijuca, a região litorânea,enfim, a cidade do Rio de Janeiro, toda sua beleza e transformações ocorridas ao longo dos anos poderá ser conferida pelos visitantes na exposição ‘Rio Cidade-Paisagem’, em cartaz na Fundação Biblioteca Nacional (FBN) até 31 de agosto.

Por meio do rico acervo da instituição vinculada ao Ministério da Cultura (MinC), o público poderá reviver e relembrar uma cidade e seu passado. As imagens e documentos retratam uma cidade ainda capital do Império.

Estão disponíveis a visitação mais de 120 peças originais, entre livros, revistas, mapas, ilustrações, fotografias e partituras.

Os visitantes poderão, ainda, ouvir músicas inspiradas nos bairros cariocas e assistir a projeções de documentários que têm a cidade como tema.

Estações da Viagem

A visita a exposição é feita a partir de módulos, cada um dedicado a uma área especifica da cidade para que, a partir deles, o visitante tenha a visão do Rio de Janeiro como um todo.

O primeiro módulo é dedicado à Baía de Guanabara. O segundo aborda a Floresta da Tijuca e seu entorno.

O terceiro é composto pelo morro do Castelo e a Avenida Central. A região litorânea da Glória, Flamengo e Botafogo, que sofreu muitos aterros dão vida ao quarto módulo.

Na sequência a Zona Norte da cidade e a região suburbana terão vez. A exposição chega a Zona Sul e Oeste a partir de reportagens, músicas e imagens que marcaram época.

Veja, abaixo, algumas peças que estão expostas.

Leia mais sobre a exposição.


Serviço

Rio Cidade-Paisagem
Local: Espaço Cultural Eliseu Visconti da Fundação Biblioteca Nacional (Rua México, s/nº – entrada pelo jardim, Centro, Rio de Janeiro)
Data: 12 de junho a 31 de agosto
Horário de visitação: de 3ª a 6ª, das 10h às 18h; sábados, domingos e feriados das 12h às 17h

(Texto: Marcos Agostinho, Ascom/MinC)

http://www.cultura.gov.br/site/2012/07/19/exposicao-trata-do-tema-rio-cidade-paisagem/

Editais Cultura Popular


12/07/2012

Cachaça vira patrimônio do Rio

POR Pamela Oliveira


Rio - Cana, pinga, branquinha, limão, mé. Os amantes da cachaça ganharam um motivo para brindar: a bebida agora é Patrimônio Histórico Cultural do Rio de Janeiro. O governador Sérgio Cabral sancionou ontem a lei, proposta pelo deputado estadual Luiz Martins (PDT), que deu o título à bebida.

“O cubano ama seu rum; o mexicano, a tequila; o francês, o conhaque; e o escocês, o uísque. Temos que valorizar nossa bebida”, defende Martins. “O projeto de lei foi aprovado nas duas votações da Assembleia por unanimidade. O pessoal gosta de uma cachaça”, brinca o deputado, referindo-se aos colegas da Alerj.

Cláudia, ao lado da amiga Mônica, é fã de pinga: "Cachaça é a cara do Rio" | Foto: Uanderson Fernandes / Agência O Dia

O título é um reconhecimento da importância da bebida para a cultura do estado.No texto que embasa a lei, o parlamentar defende a ‘anistia’ da ‘danada’. Argumenta que a bebida genuinamente brasileira foi “discriminada”, “perseguida” e até proibida “pelas elites brasileiras”.

Mônica Villar, 51 anos, sempre atuou como embaixadora da bebida. “Sempre oferecia cachaça a passageiros de outros países. Eles adoravam”, conta a ex-aeromoça, que voou por 30 anos.
Nesta segunda-feira, ela comemorava o casamento da sobrinha, brindando com pinga na Cachaçaria Mangue Seco, na Lapa. “A cachaça é a cara do Rio”, opina Claudia Pascoa, mãe da noiva.

De 16 a 19 de agosto, admiradores da cana têm palanque certo para defender a branquinha: é o Festival de Pinga de Paraty, tradicional produtora do mais novo Patrimônio Histórico e Cultural fluminense.

http://odia.ig.com.br/portal/rio/cacha%C3%A7a-vira-patrim%C3%B4nio-do-rio-1.460967

Museu Histórico Nacional 90 anos


10/07/2012

Federalização é caminho para reabertura do Museu Mariano Procópio

Diante do impasse referente aos recursos necessários à reabertura do Museu Mariano Procópio, federalização do espaço é cogitada

Por Amanda Fernandes e Renata Delage

A placa na entrada da cidade recomenda um roteiro inacessível ao visitante. "Em Juiz de Fora, visite o Museu Mariano Procópio." Os mais de quatro anos de portas fechadas, somados à constatação de que a Prefeitura não possui os recursos necessários - em torno de R$ 28 milhões - para a conclusão das obras, levantam o debate sobre a federalização da instituição. Dessa forma, a União assumiria a gestão do espaço, conforme acontece com o Museu Imperial de Petrópolis, que abriga, ao lado do Museu Mariano Procópio, a mais importante coleção de arte e história do Brasil Imperial. Embora a relevância do museu e seu acervo no cenário nacional sejam unânimes entre os governos federal, estadual e municipal, não há sinais concretos de quando as instâncias irão, efetivamente, juntar esforços para reabrir o complexo. Apesar de o tema ser recorrente na cidade - sendo acompanhado de perto pela Tribuna -, a discussão ganhou repercussão nacional no último sábado, depois de matéria publicada pelo jornal "O Globo".

"A federalização é apenas um caminho possível", pontua o presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), José do Nascimento Júnior. "Seria uma forma de conectar dois dos principais acervos, valorizando a rota imperial", diz. Segundo ele, o museu não perderia o vínculo ou deixaria de pertencer à cidade, tampouco o Conselho de Amigos do Museu, responsável pela conduta e curadoria, deixaria de existir. "Ele seria mantido, como já ocorre em outras instituições do país", diz. Para o presidente do Ibram, a dificuldade de captação de recursos junto à iniciativa privada é uma realidade cada vez mais evidente, em função da crise econômica. Neste sentido, entregar a administração do espaço à União seria uma maneira de reabrir suas portas à comunidade. "O importante é que o museu esteja aberto", defende. "O Ibram é a favor da federalização, desde que o município e a população estejam de acordo com essa decisão. A Prefeitura deve dar o primeiro passo nas negociações."

Por meio de sua assessoria, o prefeito Custódio Mattos informou que a administração não possuiu recursos para todas as melhorias necessárias e, por isso, pensa na possibilidade de uma ação conjunta com os governos federal e estadual. Ainda conforme a assessoria do prefeito, a PJF aguarda o parecer tanto do Ministério da Cultura quanto da Secretaria de Estado de Cultura a respeito de um dossiê sobre a atual situação do museu, entregue a estes órgãos entre abril e maio deste ano. Sobre a possibilidade de federalização do museu, o prefeito não quis comentar.

A Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais também declara não ter um posicionamento em relação à federalização do museu. Segundo nota divulgada pela assessoria, está agendada para o final deste mês, uma reunião entre a secretária Eliane Parreiras, o presidente do Ibram, José do Nascimento Júnior, e a Prefeitura de Juiz de Fora, "para discutirem juntos - União, Estado e Município - o melhor caminho a ser seguido".

Nacional, mas da cidade

A possibilidade da federalização do Museu Mariano Procópio é vista com bons olhos pelo vice-presidente do Conselho de Amigos do Museu, Ismair Zaghetto, que destaca a possibilidade como a eliminação do problema relacionado à falta de recursos para a instituição. A primeira formação do conselho foi nomeada na década de 1930, por Alfredo Ferreira Lage com o objetivo de zelar pelo espaço e pelo acervo. Para Ismair, a federalização só teria aspectos positivos. "Do ponto de vista prático, seria uma saída muito oportuna, mas acredito que seja necessário encontrar uma forma de fazê-la mantendo o propósito do seu fundador, resguardando um conselho composto por pessoas da nossa terra."

Para ele, uma forma de obter tal propósito seria contar com a participação da Universidade Federal de Juiz de Fora no processo, ou mesmo com a incorporação do museu à UFJF, nos moldes utilizados para a agregação do Centro Cultural Pró-Música, no ano passado, e também com o Cine-Theatro Central. "Não sou advogado, mas creio que esta seria uma fórmula que abrangeria todos os interesses. O acervo seria cuidado por uma instituição federal enraizada na cidade", sugere. Segundo o pró-reitor de Cultura da UFJF, José Alberto Pinho Neves, a possibilidade de participação da universidade neste processo precisa ser estudada, uma vez que há questões legais que devem ser levadas em conta. Além disso, Pinho Neves pontua que, caso isso ocorra, é necessário saber como seria esta participação. "Deve-se saber o que se esperaria da UFJF nesse processo, se ela será uma parceira ou se o museu seria realocado para dentro da instituição, por exemplo. É algo que demanda tempo e estudo."

Mesmo acreditando no benefício da federalização, Ismair não descarta a cobrança de maior empenho para com o museu pela Prefeitura. "Um assunto desta importância demanda que a Prefeitura fique muito à frente. Caso contrário, quando um conselheiro tenta angariar recursos federais é como uma pulga brigando com um elefante. É diferente quando, por exemplo, um prefeito vai pedir verbas. Até mesmo para que a iniciativa privada se sinta atraída para investir é necessário este aporte institucional." Ainda conforme Ismair, falta também participação da população nas demandas do museu. "Lamentavelmente a população pouco se interessa."

Parceria

Embora a Villa Ferreira Lage esteja fechada, o diretor da fundação Douglas Fasolato destaca que atividades estão sendo feitas constantemente no parque do museu, com a intenção de aproximar a comunidade do espaço, e obras continuam sendo executadas para a recuperação dos prédios. A respeito da federalização, Fasolato afirma que o museu deve ser gerido pela instância que tiver competência para mantê-lo em bom estado. "A cooperação entre as três instâncias - federal, estadual e municipal - é fundamental, tanto para que as obras sejam concluídas, quanto para que sejam preservados a doação, o patrimônio e o fomento da cultura na cidade."

Câmara lança publicação sobre museus e série de exposições

A publicação Legislação sobre Museus, um dos primeiros frutos do acordo de cooperação técnica firmado entre a Câmara dos Deputados e o Instituto Brasileiro de Museus (saiba mais), foi lançada, na última terça-feira (3), no Salão Nobre da Câmara, em Brasília.

O livro foi entregue ao presidente do Ibram durante evento de inauguração das duas primeiras exposições da série Retratos da Brasilidade, que reunirá produções de artistas brasileiros e começa com as exposições Primeira Missa no Brasil, com obras de Victor Meirelles, e Cenas Brasileiras, com obras de Cândido Portinari.

Legislação sobre Museus, que já está disponível para download, reúne leis, normas, acordos e diretrizes relativas aos museus e à profissão de museólogo. Entre eles estão o Estatuto de Museus (Lei 11.904/2009), a Lei de Criação do Ibram (Lei 11.906/2009), a lei que regulamenta a profissão de museólogo (Lei 7.287/1984), o Código de Ética do Icom para Museus e a Declaração de Santiago.

Durante a solenidade, o presidente do Ibram agradeceu aos deputados e senadores presentes pelo apoio ao setor museal e lembrou que o Estatuto de Museus, que está em fase final de regulamentação “é uma grande conquista e resultado do trabalho dos parlamentares”.

Exposições – Esta é a primeira vez que o quadro Primeira Missa no Brasil visita Brasília. Pintado por Victor Meirelles entre 1858 e 1860, o óleo sobre tela é inspirado na carta de Pero Vaz de Caminha e faz parte do acervo permanente do Museu Nacional de Belas Artes (Ibram/MinC), no Rio de Janeiro. Além do quadro, a exposição traz outros trabalhos de Victor Meirelles e uma foto rara do artista cuja autoria é desconhecida.

Também compondo a série Retratos da Brasilidade estão obras de Cândido Portinari que pertencem ao acervo do Banco Central na mostra Cenas Brasileiras. As exposições estão abertas ao público até 16 de setembro. A visitação é diária, das 9h às 17h.

Brasil sedia reunião internacional sobre proteção a museus e coleções

Especialistas de 50 países reúnem-se de 11 a 13 de julho, no Rio de Janeiro, para realizar reunião que fará estudo preliminar sobre a Proteção e Promoção de Museus e Coleções. O evento será transmitido ao vivo pelo site do Ibram (www.museus.gov.br) e do Programa Ibermuseus (www.ibermuseus.org), a partir dos canais de tradução simultânea em português, inglês, espanhol e francês.

Organizado pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), em parceria com a Unesco e com o apoio do Programa Ibermuseus e da Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI), o encontro é resultado da aprovação da proposta de resolução incluída, pelo governo brasileiro, na pauta da Comissão de Cultura da 36ª Conferência Geral da Unesco, que aconteceu em novembro de 2011. Sob o título “Proteção e Promoção de Museus e Coleções”, a proposta foi co-patrocinada por mais de 25 países dos cinco continentes, e recebeu diversas manifestações de apoio.

Esta é a primeira vez que uma reunião deste porte é realizada para discutir o tema. Foram convidados especialistas, indicados pelo Secretariado da Unesco, e observadores. Entre eles estão diretores de museus nacionais e internacionais, representantes governamentais dos países e organismos internacionais e intelectuais da área de museus.

A necessidade de promover o debate internacional sobre a proteção do patrimônio museológico e das coleções surgiu da percepção de que há um descompasso entre a relevância dos museus e a fragilidade das medidas para protegê-los. Um dos objetivos do encontro, que ocorrerá no Windsor Barra Hotel, será, justamente, discutir a viabilidade de se adotar um instrumento normativo internacional que minimize a vulnerabilidade dos museus e das coleções a situações de risco em todo o mundo.

06/07/2012

Ibram abre Consulta Pública para elaboração de edital voltado a projetos de OSCIPs

Entre 5 e 15 de julho, o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) realiza chamada para Consulta Pública com finalidade de promover a participação da sociedade no processo de elaboração de Edital de Seleção de Projetos de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) e seus anexos (Termo de Parceria e Programa de Trabalho).

A organização selecionada realizará prestação de serviços para adequação da infraestrutura tecnológica e de atendimento turístico dos museus da região metropolitana do Recife (PE), no âmbito do Programa Legado Cultural. O valor estimado para o cumprimento do objeto do edital será composto por recursos oriundos de emendas parlamentares da bancada de Pernambuco no Congresso Nacional.

As contribuições deve ser objetivas, remetendo-se expressamente aos dispositivos do edital ou dos dois anexos sob consulta, e devem ser enviadas até 15 de julho para o endereço eletrônico cddp@museus.gov.br. A mensagem deve indicar no Assunto “Chamada para Consulta Pública”.

Lista de documentos
Edital de Seleção de Projetos de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público – OSCIP (sob consulta)

Anexo I – Minuta Termo de Parceria (sob consulta)

Anexo II – Programa de Trabalho (sob consulta)

Anexo III – Programa Legado Cultural para o setor museal (não está sob consulta)

Texto: Ascom/Ibram

http://www.museus.gov.br/destaque/ibram-abre-consulta-publica-para-elaboracao-de-edital-voltado-a-projetos-de-oscips/

04/07/2012


Férias nos Museus


Um giro artístico pela cidade


No último domingo, São Paulo teve a segunda edição do Walking Gallery – inusitado projeto em que artistas rodam pela cidade carregando suas obras. O movimento começou há três anos, em Barcelona. Foi ideia do arquiteto e artista catalão José Puig. De lá, ganhou outras cidades espanholas, como Vigo, Bilbao, Madri e Zaragoza. Ainda neste ano, está prevista uma ação semelhante em Londres e outra em Buenos Aires.

http://blogs.estadao.com.br/edison-veiga/2012/07/03/um-giro-artistico-pela-cidade/

Ibram divulga carta com estratégias para política de Direito à Memória

Documento construído por 32 representantes da área da museologia social das cinco regiões do país, que estiveram no Encontro de Articulação das Redes de Pontos de Memória e Museus Comunitários, promovido pelo Ibram em junho, apresenta estratégias de articulação em rede voltadas para o fortalecimento e construção de uma Política Pública de Direito à Memória.

O documento dispõe de 6 princípios, 14 propostas e 17 itens de agenda voltados para fomento, sustentabilidade, qualificação, inventário participativo e articulação em rede. As propostas ainda serão referendadas na 4ª Teia da Memória, que acontece ainda este ano. Acesse a carta aqui.

Fonte: Programa Pontos de Memória

http://www.museus.gov.br/noticias/ibram-divulga-carta-que-indica-principios-para-uma-politica-de-direito-a-memoria/

01/07/2012

Jovem que roubou quadro de Portinari volta ao museu, em Olinda, para pedir desculpas

Leonardo Jorge foi ao MAC pedir desculpas pelo furto do quadro à diretora do espaço, Célia Labanca

Um pedido de desculpas e o perdão não poderiam escolher lugar melhor para se encontrar. Um museu. Mais especificamente o Museu de Arte Contemporânea (MAC) de Pernambuco, em Olinda, um dos mais importantes da América Latina. O pedido partiu de um jovem franzino, carioca de sotaque carregado, que há pouco mais de dois anos levou o MAC a ganhar as manchetes dos principais jornais do Brasil e até mesmo do exterior. 

Leonardo Jorge da Silva, 26 anos, acusado de furtar do local a tela Enterro, do pintor Cândido Portinari, em 14 de julho de 2010, voltou no fim da semana passada ao museu. Dessa vez, no entanto, não buscava obras de arte. Estava atrás do perdão de Célia Labanca, diretora do espaço.

Para ele, solto há um mês através de decisão da Justiça para responder o processo em liberdade e que diz querer retomar a vida longe do mundo do crime, o pedido de desculpas seria o primeiro passo para o recomeço. O encontro aconteceu no fim da manhã de um dia chuvoso.

De um lado, Leonardo, ainda tímido, que vestiu a melhor roupa para a visita. Por cima da camisa preta de botão, a farda do Projeto Travessia, que o fez orador da primeira turma de detentos a concluir o ensino médio no Presídio de Segurança Máxima de Igarassu, no Grande Recife.

Do outro, na sala em anexo à entrada principal do museu, uma ainda desconfiada Célia Labanca. Quem primeiro falou foi ela, indagando logo se o jovem pretendia mudar de vida e avisando que o ser humano é resultado de suas escolhas.




Tela "Enterro" Cândido Portinari voltou a fazer parte do acervo do MAC - Olinda


De cabeça baixa, Leonardo parecia concordar com os puxões de orelha. Admitiu que fez a escolha errada e começou a explicar a história da sua vida, que teve início no bairro de Ramos, no Rio de Janeiro.

A partir daí, a conversa fluiu. Célia se mostrou impressionada com a desenvoltura, educação e conhecimento em arte do ladrão que tirou suas noites de sono naquele julho de 2010. Leonardo assumiu o crime na frente da diretora e afirmou que pretende entrar em uma faculdade e usar o que já aprendeu para voltar a ter uma vida digna.

“Ainda na prisão, comecei a fazer pesquisas para um próximo trabalho (furto). Mas vi na escola um refúgio, pois sofri muito lá dentro, principalmente pela minha condição sexual. E na escola percebi que posso usar meus conhecimentos para mudar de vida. Mas antes tinha que pedir desculpas”, ressaltou Leonardo, que entregou a camisa do Projeto Travessia e uma carta de sete páginas à Célia.

Para a diretora do museu, a atitude do jovem é nobre. “Esse menino é inteligentíssimo. E deve usar essa inteligência. Vejo que você é uma pessoa boa. Com todo o prazer, lhe perdoo”, afirmou Célia, que presenteou Leonardo com dois livros escritos por ela.

A diretora ainda disse que vai entrar em contato com a Chefia de Apoio a Egressos e Liberados do Estado, colocou o museu à disposição do novo amigo e garantiu: “Vou mandar emoldurar a camisa de Leonardo e colocá-la na sala dedicada a Cândido Portinari.”

Procurado pelo JC, o delegado Manuel Martins, que prendeu o carioca lá no Rio de Janeiro, afirmou ter percebido “algo diferente” no jovem. “Ele é uma pessoa diferenciada, muito inteligente. Não dificultou a investigação, nos contou tudo.”

O quadro foi recuperado no dia 31 de julho de 2010, no Rio de Janeiro. Na ocasião, Leonardo Jorge foi preso junto com o intermediador da venda, Leonardo Bispo da Silva.


Fotos de: Igor Bione/JC imagem
Texto de: Carlos Eduardo Santos

Fonte: http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/cidades/geral/noticia/2012/06/30/jovem-que-roubou-quadro-de-portinari-volta-ao-museu-em-olinda-para-pedir-desculpas-47380.php

Unesco aprova título de Patrimônio Mundial para a Paisagem Cultural do Rio

Domingo histórico para o Brasil: a cidade do Rio de Janeiro tornou-se a primeira do mundo a receber o título da Unesco de Patrimônio Mundial como Paisagem Cultural Urbana. A candidatura, apresentada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), foi aprovada durante a 37ª Sessão do Comitê do Patrimônio Mundial, que está reunido em São Petersburgo, na Rússia, desde o dia 25. 

A ministra da Cultura, Ana de Hollanda, e o presidente do IPHAN, Luiz Fernando de Almeida, que acompanharam os trabalhos, comemoraram a decisão que resultou na inclusão de mais um bem brasileiro na Lista de Patrimônio Mundial. 

Para a ministra Ana de Hollanda, o resultado vem “coroar um belíssimo trabalho que evidencia a cidade que nasceu e cresceu entre o mar e a montanha e, com criatividade e talento criou paisagens - hoje mundialmente conhecidas - que a tornaram excepcional e maravilhosa”. O presidente do IPHAN explicou que “a paisagem carioca é resultado da utilização intencional da natureza que, atendendo aos interesses econômicos dos colonizadores portugueses, formou espaços únicos no mundo que destacam a originalidade do Rio de Janeiro expressa pela troca entre diferentes culturas associadas a um sítio natural”.  

A partir de agora, os locais da cidade valorizados com o título da Unesco serão alvo de ações integradas visando à preservação da sua paisagem cultural. São eles o Pão de Açúcar, o Corcovado, a Floresta da Tijuca, o Aterro do Flamengo, o Jardim Botânico e famosa praia de Copacabana, além da entrada da Baía de Guanabara. As belezas cariocas incluem o forte e o morro do Leme, o forte de Copacabana e o Arpoador, o Parque do Flamengo e a enseada de Botafogo.

Patrimônios Mundiais no Brasil 

Além da Paisagem Cultural do Rio de Janeiro, o Brasil conta hoje com outros 18 bens culturais e naturais na lista de 911 bens reconhecidos pela Unesco. 

Os bens culturais estão compostos por: Conjunto Arquitetônico e Urbanístico de Ouro Preto, Minas Gerais (1980); Centro Histórico de Olinda, Pernambuco (1982); Ruínas de São Miguel das Missões, Rio Grande do Sul (1983); Santuário do Bom Jesus de Matosinhos em Congonhas, Minas (1985); Centro Histórico de Salvador, Bahia (1985); Conjunto Urbanístico de Brasília, Distrito Federal (1987); Centro Histórico de São Luís, Maranhão (1997); Centro Histórico de Diamantina, Minas (1999); Centro Histórico de Goiás, Goiás (2001); Praça de São Francisco em São Cristovão, Sergipe (2010). 

Já os bens naturais são: Parque Nacional do Iguaçu, Paraná (1986); Costa do Descobrimento, Bahia e Espírito Santo (1997); Parque Nacional Serra da Capivara, Piauí (1998); Reserva Mata Atlântica, São Paulo e Paraná (1999); Parque Nacional do Jaú, Amazonas (2000); Pantanal Mato-grossense, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul (2000); Reservas do Cerrado: Parque Nacional dos Veadeiros e das Emas, Goiás (2001); e Parque Nacional de Fernando de Noronha, Pernambuco (2001).

5º Fórum Nacional de Museus recebe inscrições até dia 15

Estão abertas até o próximo dia 15 as inscrições para os interessados em apresentar trabalhos no 5º Fórum Nacional de Museus (FNM), que acontece até o final deste ano na cidade do Rio de Janeiro, em data a ser definida. 

Os trabalhos submetidos devem ser pertinentes ao tema do encontro em 2012 – 40 anos da Mesa Redonda de Santiago do Chile: entre o idealismo e a contemporaneidade. Os interessados devem optar por uma das modalidades de trabalho para a comunicação coordenada: Apresentação Oral ou Pôster. 

Serão selecionados 24 trabalhos para a primeira modalidade e 40 para a segunda. A divulgação dos trabalhos selecionados pode ser consultada a partir do dia 20 de agosto, na página do Ibram. Acesse o edital retificado da Chamada Pública aqui

As inscrições efetuadas até 24 de maio continuam válidas. Caso haja necessidade de retificar o trabalho encaminhado ou cancelar a inscrição, o candidato deve enviar e-mail para comunicacoes.coordenadas@museus.gov.br. Saiba mais aqui.
Ocorreu um erro neste gadget