29/10/2010

Múmia de 700 anos é apreendida na Bolívia

LA PAZ (AFP) - A polícia boliviana apreendeu em La Paz uma múmia de um menino ou menina de cerca de 700 anos, aparentemente de ascendência peruana, ao tentar sair da Bolívia em uma caixa com destino a Europa, informou nesta terça-feira o arqueólogo Jedú Sagárnaga.

Sagárnaga, da Sociedade de Arqueologia de La Paz, disse que "um policial descobriu (no início da semana) os restos em uma caixa no escritório (estatal) dos Correios e isto demonstra que é muito provável que existam redes de tráfico de peças arqueológicas".

Afirmou que realizou uma inspeção dos restos, que se encontram em bom estado de conservação e que poderiam corresponder a um menino ou menina de seis anos, enterrado em posição fetal "há cerca de 700 anos".

O corpo "está envolvido em tecido, o que faz supor que é de ascendência peruana, porque esse era o costume" e "não acredito que seja boliviano, porque aqui eram envolvidos em palha", afirmou o pesquisador à AFP.

"É provável que a múmia provenha das culturas (peruanas) Chancay (que se desenvolveu na costa central, entre 1.200 e 1.470 d.C.) ou Paracas (que nasceu em 500 a.C)", explicou.

Os restos ainda estão em poder da polícia, que espera um trâmite do Ministério boliviano de Culturas para sua entrega à Unidade governamental de Arqueologia, que posteriormente realizará uma avaliação detalhada.

Se for provado que a múmia procede do Peru, ela será devolvida, como parte de acordos bilaterais.


FONTE: http://br.noticias.yahoo.com/s/afp/101029/saude/bol__via_peru_crime_arqueologia

Museu do Super Herói e museus virtuais

Pois é, já postei aqui sobre museus de histórias em quadrinhos e aqui o Newton Fabiano falou sobre a exposição do Batman. E como museu é lugar de gente nerd mais e mais museus sobre nerdices vão se espalhando pelo espaço global, e nenhum espaço é mais nerd do que a internet, talvez por isso alguns museus virtuais se dediquem a estas temáticas.

É o caso de dois museus mega legais que encontrei recentemente: o primeiro é este e nele você vai encontrar uma ficha com a descrição da maioria dos heróis da Marvel, DC e das principais empresas de animes e mangás. O outro é o museu do herói negro! Ou Black hero.com, nele você encontra informações sobre os principais superherois negros da atualidade, dentre os quais: tempestade, pantera negra dentre outros.

Para entender o que diabos é um museu virtual e suas definições, clique aqui.

28/10/2010

boletim Superintendência de Museus

Museu Nacional da Alemanha

Quarta-feira, 27/10/2010
Exposição na Alemanha mostra a ascensão de Hitler ao poder
O Museu Nacional da Alemanha, em Berlim, é sede da primeira exposição mundial focada em Adolf Hitler. Na mostra, o ditador sempre aparece associado às consequências terríveis do poder sem limites.
Confira o vídeo!

25/10/2010

Museus Verdes

O GLOBO - 23/10/2010 às 21h 29m.
Nossos primeiros museus verdes.
MIS, com selo de sustentabilidade, sai do papel em dezembro. Museu do Amanhã é o próximo.
Na disputa (acirrada) pelo título de primeiro museu verde do país, quase ocorre um empate, como mostra reportagem de Flávia Monteiro publicada no Globo deste domingo. O novo prédio do Museu da Imagem e do Som (MIS) - que será erguido no terreno onde funcionava a Help, na Praia de Copacabana - vai começar a sair do papel em dezembro. E com o primeiro registro do tipo, obtido em maio, no processo de certificação do selo Leed (sigla em inglês para Liderança em Energia e Design Ambiental), concedido pelo Green Building Council/Brasil.
Mês passado, foi a vez do Museu do Amanhã, que será construído no Píer Mauá, obter o registro para o Leed. Assinado pelo arquiteto espanhol Santiago Calatrava, o projeto, em fase de finalização, prevê, entre outras soluções ecológicas, o uso da água da Baía da Guanabara no resfriamento dos equipamentos de ar-condicionado.
Coordenadora de projetos da Fundação Roberto Marinho, Cristina Lodi, que está à frente do empreendimento do MIS, juntamente com a Secretaria estadual de Cultura, destaca que a sustentabilidade foi pensada desde o traçado arquitetônico. O projeto e dos americanos Elizabeth Diller e Ricardo Scofidio.
- Na avaliação energética inicial, notou-se que aquele era um projeto apto a receber a certificação Leed. Mas o trabalho começou já na demolição da boate Help (concluída em março), feita de forma a minimizar os transtornos causados pelo método tradicional, como poeira e barulho. Além disso, 99,81% dos resíduos gerados foram enviados à reciclagem ou reaproveitados - diz Cristina.
Para obter o registro ao selo, foram contratadas a Casa do Futuro.com, especializada em automação predial, e o escritório americano de design Atelier Ten, de consultoria ambiental.
Saiba mais sobre o tema no site: http://www.museologia.org.br/simposio/

19/10/2010

no museu com a turma do Pernalonga

Aventuras da turma do Looney Tunes no museu.
Pernalonga, Patolino e Elmer aprontam todas entre as pinturas do Museu do Louvre.
Assista o vídeo!

Museu da República

Passeio em jardim desperta os sentidos dos visitantes.
O passeio é um convite a exercitar os sentidos. Num jardim sensorial, instalado no Museu da República, no Catete, o visitante é guiado num passeio de olhos vendados. A entrada é grátis.
Confira o vídeo!

18/10/2010

Eleições 2010 - Museu

MANIFESTO DE PROFESSORES E DEMAIS TRABALHADORES DO CAMPO DOS MUSEUS E DA MUSEOLOGIA

Nos últimos 8 anos o campo dos museus e da museologia no Brasil passou por uma transformação sem precedentes. A Política Nacional de Museus do Governo Lula, construída de modo democrático e participativo, lançada e implementada como política pública por intermédio do Ministro Gilberto Gil, em maio de 2003, fez e continua fazendo toda a diferença. Os museus do Brasil encontraram um novo rumo, muito diferente daquele que vinha sendo trilhado pelo governo Fernando Henrique Cardoso, que nunca apoiou as universidades e muito menos os museus.
Durante todo o governo Fernando Henrique Cardoso, o Ministério da Cultura, chefiado por Francisco Weffort, viveu uma das piores experiências culturais, na qual a área dos museus foi mantida sem nenhuma centralidade, sem visibilidade, sem articulação, sem recursos e sem poder de ação.
A ideologia e as práticas neoliberais do governo do PSDB recomendavam aos diretores de museus: “virem-se!”. Nessa linha, os museus públicos, viveram à míngua, e seus setores educativos e de pesquisa foram praticamente desativados. A cultura foi tratada como um negócio, e os museus tratados como empresas não-lucrativas e de pouco interesse social. Por isso mesmo, no apagar das luzes do governo Fernando Henrique Cardoso (ideólogo do PSDB) o poder público federal investiu numa tentativa (frustrada pela reação dos trabalhadores do campo da cultura) de privatizar os denominados museus nacionais e municipalizar os denominados museus regionais. Síntese: o governo FHC tinha por meta exonerar-se das responsabilidades sociais em relação à cultura, à educação e aos museus.
O Governo Lula reverteu todo esse quadro e fez mais. Nunca antes na história desse país o campo dos museus e da museologia foi tão amplamente ouvido e apoiado. O orçamento para o campo dos museus cresceu em mais de 500%. Inúmeros projetos, editais e prêmios foram lançados: Modernização de Museus, Mais Museus, Pontos de Cultura, Pontos de Memória, Prêmio Mário Pedrosa, Prêmio Darcy Ribeiro, Prêmio Mario de Andrade e outros.
O investimento do Governo Lula nas universidades é inegável e isso se reflete de modo claro no campo museal. Em 2003, existiam no Brasil apenas dois cursos de museologia, ao nível de graduação. Hoje, existem no país 14 cursos de graduação em museologia (UNIRIO, UFBA, FEBAVE, UFPEL, UFRB, UFS, UFOP, UFRGS, UFPE, UnB, UFSC, UFG, UFMG, UFPA) e um Programa de Pós-graduação (UNIRIO).
Entre 2003 e 2010 foram também criados o Sistema Brasileiro de Museus, o Observatório Nacional de Museus, o Cadastro Nacional de Museus, o Fórum Nacional de Museus, a Semana Nacional de Museus, a Primavera de Museus, o Programa Nacional de Formação e Capacitação em Museologia, o Programa dos Pontos de Memória, o Estatuto de Museus e o Instituto Brasileiro de Museus, além de um Programa Editorial potente e de grande impacto social.
Por tudo isso, nós, professores do campo da museologia e dos museus, apoiamos a candidata Dilma Roussef. Ela representa o compromisso com a continuidade da Política Nacional de Museus que, em última análise, significa: ampliação dos investimentos na área da formação profissional, ao nível técnico, de graduação e de pós-graduação; qualificação das instituições museológicas; mobilização e articulação do campo museal visando o desenvolvimento de pesquisas e de projetos educacionais de grande alcance; mais investimentos nos programas de museologia social, comunitária e popular.
A extraordinária potencialização da área dos museus e da museologia veio acompanhada, no panorama nacional, da redução marcante da miséria e da pobreza, da geração de emprego e renda, da valorização da diversidade cultural, do respeito às minorias e do investimento na educação em todos os níveis, o que promoveu a inclusão e a dignidade social de milhões de brasileiros. No campo dos museus e da museologia, o Governo Lula ficará conhecido como aquele que mais investiu e que mais benefícios produziu.
O que o presidente Lula fez pelo Brasil não deve ser jogado fora em nome de interesses econômicos mesquinhos que, travestidos de posturas religiosas, assumem atitudes fundamentalistas e obscurantistas, desrespeitam o direito à diferença e à liberdade de pensamento e querem manter o povo brasileiro na ignorância e no medo. Para isso, em nome de uma ética hipócrita, despolitizam a campanha e lançam mão da calúnia, da difamação e do terrorismo psíquico.
Por tudo isso, nós professores e demais trabalhadores do campo dos museus e da museologia, na dimensão de nossas responsabilidades sociais; nós que desejamos que o país consolide e amplie as conquistas alcançadas, dirigimo-nos à sociedade brasileira para afirmar, com convicção, que apoiamos a candidatura de Dilma Roussef à Presidência do Brasil para que o país continue mudando na direção dos ideais democráticos e republicanos, com mais distribuição de renda, com mais saúde, educação e cultura para todos, com mais direito à memória e à criação.

Mario Chagas – professor da Escola de Museologia e do Programa de Pós-graduação em Museologia e Patrimônio da UNIRIO

Nilson Moraes - professor do Programa de Pós-graduação em Museologia e Patrimônio da UNIRIO

Denise Studart - museóloga da Fiocruz

Cláudia Storino - arquiteta do Ibram

15/10/2010

Gestão em Museus

Conheça estratégias de grandes museus para atrair maior público e aumentar a receita.
Diversificar foi o caminho que grandes museus de Nova York e da Inglaterra seguiram para aumentar a receita e fazer com que o visitante prolongue a experiência que acabou de ter ao visitar o local.
Confira o vídeo!

13/10/2010

espaço Nilton Santos

A festa preparada no Engenhão em virtude do Dia das Crianças foi um grande sucesso. Cerca de três mil pessoas foram nesta terça-feira ao estádio. Os anfitriões do evento denominado de Turma do Papai Joel, foram os jogadores Somália, Herrera, Caio e Renan.
Às 6h30, o representante comercial Dílson Valentim já estava presente na fila com sua filha Maria Eduarda, de sete anos, ansiosos para o evento que se iniciaria com meia hora de atraso, às 9h30. Primeiros a entrar no estádio, ambos deslumbrados ao conhecer o espaço Nilton Santos e as conquistas do ídolo alvinegro. Ao entrar no gramado pelo vestiário, mesmo caminho que é usado pelos jogadores nos jogos, se emocionaram.


- Parabéns ao marketing do Botafogo que convenceu essas crianças a vir aqui. Está sendo resgatado a juventude. Viemos para conhecer o estádio, para pisar no gramado e sentir o clima do clube. Com certeza está valendo todo o esforço de ter acordado bem cedo - afirmou o torcedor Dílson Valentim ao LANCENET!.
Dentro do estádio, os torcedores tiveram acesso ao espaco Nilton Santos, onde os adultos ficaram mais empolgados vendo as conquistas daquele que é um dos maiores ídolos alvinegro e considerado maior lateral-esquerdo do futedol mundial.


Depois, as crianças se divertiram na sala de imprensa, quando chegaram a imitar o técnico Joel Santana dando entrevistas.
- Vou botar o Tulio Souza no time titular - brincou uma das crianças.
No vestiário, na sala de aquecimento e depois no gramado. Momentos mágicos para os torcedores, não só mirins, mas de todas as idades. O clímax foi quando chegaram no gramado, e assim foram recebidos por Somália, Herrera, Caio e Renan. Dos quatro jogadores, Somália foi o mais assediado. Atônitas, as crianças preocuparam o volante alvinegro.
- Quem chorar, vai para o final da fila - brincou Somália. O jogador fazia uma piada para cada criança que abraçava e dava autógrafos - Tem que ter disposição de jovem - indagou.
As crianças ainda se esbaldaram em um parquinho montado em uma das arquibancadas do estádio. Foi com certeza um dia inesquecível para todos os presentes. Pais, filhos, jogadores. O dia das crianças foi especial para o Glorioso.

11/10/2010

Lançamento do Livro Exposição do Centenário



Texto do release:
RUTH LEVY, Editora EBA/UFRJ, 292p. Il.

1922, ano emblemático... sempre lembrado pela Semana de Arte Moderna em São Paulo, este foi também o ano de uma grande mostra no Rio de Janeiro: a Exposição Internacional do Centenário da Independência. Numa extensa área do centro da cidade, que incluía o espaço recém-conquistado com o desmonte do Morro do Castelo, foi construído um grande número de palácios e pavilhões, nacionais e estrangeiros, além de duas portas monumentais. A Exposição serviu assim de vitrine, revelando as
tendências da arquitetura naquele momento, as idéias e ideais dos arquitetos mais atuantes do período e o repertório arquitetônico e estilístico então em voga.

Nesse seu segundo livro Ruth Levy, autora também de Entre Palácios e Pavilhões: a arquitetura efêmera da Exposição Nacional de 1908, dedica-se a recompor o cenário arquitetônico da Exposição do Centenário. Através de uma extensa pesquisa, que resultou na sua tese de doutorado pela EBA/UFRJ, a autora mergulha nos registros textuais e iconográficos que ficaram deste evento que, apesar de efêmero, representa uma passagem valiosa para o estudo da arquitetura do momento de transição entre
o ecletismo e o modernismo, incluindo aí o neocolonial.

A década de 1920 vai marcar a busca por uma melhor definição do papel do arquiteto como profissional, a busca por um estilo nacional e um novo fazer arquitetônico, além de representar um marco importante para o debate relativo à questão urbana. Todas estas questões são tema deste livro, que resgata essa importante página da história da cidade como fonte de análise para o melhor entendimento da produção arquitetônica do período.

Sobre a autora: Ruth Levy é arquiteta e museóloga. É doutora e mestre em História da Arte pela EBA/UFRJ e pósgraduada em História da Arte e da Arquitetura no Brasil pela PUC-RJ. É autora também do livro Entre palácios e pavilhões: a arquitetura efêmera da Exposição Nacional de 1908, publicado pela EBA/UFRJ em 2008. É museóloga da Fundação Eva Klabin.

07/10/2010

Ti-ti-ti no Museu

Terça-feira, 05/10/2010
"O que o poder de uma boa exposição não faz."
Mabi e Lipe vão ao museu
As crianças veem Luti e Valquíria mas saem antes de serem vistos.
Confira o vídeo!

Looney Tunes no Museu

Aventuras do Piu-Piu e Frajola no museu.
Confira o vídeo!

06/10/2010

Musée Magritte

Comercial Musée Magritte
O Musée Magritte é aberto com uma coleção rara das obras do pintor.
Confira o vídeo!

04/10/2010

Museu Histórico Nacional realiza seminário

De 4 a 7 de outubro, o Museu Histórico Nacional promove seminário internacional com o tema Museus nacionais e os desafios do contemporâneo. O evento é realizado anualmente em outubro, mês de aniversário do museu. O seminário conta com o apoio do Ibram/MinC e a parceria com universidades, instituições culturais e de pesquisa, do Brasil e do exterior.

O objetivo é abrir espaço para a reflexão e o debate sobre as escolhas, os caminhos e as experiências dos museus nacionais, visando, inclusive, ao estabelecimento de novas diretrizes.

As vagas são limitadas e as inscrições podem ser feitas até 24 de setembro, no Museu Histórico Nacional.

A programação completa está disponível no site do museu: www.museuhistoriconacional.com.br

Mais informações: (21) 2550-9220.

01/10/2010

Encontro Estadual de Museus

Prezados,
A Superintendência de Museus da Secretaria de Estado de Cultura vem trabalhando o planejamento de suas atribuições e ações com vistas à elaboração da Política Estadual para a área museológica do Estado do RJ.

Neste sentido realizará um Encontro Estadual no dia 19 de outubro de 2010, no Salão Portinari do Palácio Capanema, que tem como objetivo apresentar e discutir propostas para construção da Política Estadual de Museus e tem como base o trabalho elaborado pela Superintendência de Museus, resultado das Assembleias realizadas em janeiro de 2010, preparatórias para a Pré-Conferência Setorial de museus e a II Conferência Nacional de Cultura em março, e em junho, preparatória para IV Fórum Nacional de Museus, em Brasília.

Como em toda elaboração de política pública, esta deve ser apresentada, debatida e construída com vários setores da área na proposição de diretrizes, estratégias e ações que reflitam o pensamento do setor. A política permitirá uma maior articulação das atividades coordenadas pela Superintendência de Museus junto aos municípios e as diretrizes estabelecidas pelo Ministério da Cultura.

Contamos com a participação e colaboração de todos neste importante momento para a área de museus do Estado do Rio de Janeiro.
Em anexo, segue a programação completa do Encontro.
Atenciosamente,

Márcia Bibiani
Superintendente de Museus
Secretaria de Estado de Cultura
Superintendência de Museus
Tel. 55 - (21) 2333-1354 e 2333-1395
e-mail: superintendenciademuseus@gmail.com

Ocorreu um erro neste gadget