18/02/2012

Pintores ganham moldura carnavalesca

Quadros de Portinari viram esculturas na Mocidade e colorido de Romero Britto inspira estampa de carros e fantasias da Renascer

O carro da Mocidade "Êxodo sertanejo" lembra o quadro "Criança morta": o drama de Portinari na SapucaíMônica Imbuzeiro / O Globo

RIO - Silas de Oliveira profetizou no sambão do Império Serrano de 1964: "Será a tela/ Do Brasil em forma de aquarela...". Este ano, duas escolas homenageiam pintores na Sapucaí: a Mocidade vem de Candido Portinari; a Renascer de Jacarepaguá, de Romero Britto. Vizinhos de porta de longa data, em 2012 carnaval e artes plásticas vão estar juntos e misturados, sem divisórias.

Para transformar quadros em desfile na Sapucaí será preciso não só inspiração, mas também transpiração. Não dos foliões, por causa das roupas quentes, mas dos carnavalescos Edson Pereira, da Renascer; e Alexandre Louzada, da Mocidade, já que levar o universo dos pintores para a passarela exige raciocínio. Quadros são admirados em silêncio em museus, acompanhados de textos explicativos; fantasias e alegorias se expõem num ambiente de excitação e barulho. É preciso ser bem claro. Mas nunca literal. Exibir as reproduções dos quadros nas alegorias seria óbvio — algo imperdoável quando o objetivo é louvar justamente a criatividade dos homenageados.

— Tenho autorização da Fundação Portinari para usar todas as imagens a meu critério, mas não quis. Em vez disso, forrei parte dos carros com uma estampa que produzimos multiplicando fragmentos dos quadros. Minha ideia é criar na Sapucaí a atmosfera de Portinari — diz Louzada, campeão na Vila Isabel em 2006, quando assinou o enredo; e na Beija-Flor, em 2007 e 2008, como integrante da comissão de carnaval.

Para dar seu recado, Louzada vai destacar os quadros mais conhecidos de Portinari. Os trabalhadores com enormes sacas na cabeça do quadro "Café" viraram esculturas no segundo carro da Mocidade. Da mesma forma, os sertanejos de "Retirantes" e "Criança morta" estarão na quinta alegoria, chamada de "Êxodo sertanejo". Nessas obras, Portinari quis denunciar a exploração e a pobreza. Mas Louzada não teme que as imagens fortes destoem da euforia dos foliões.

— Nas esculturas desses carros, eu procurei ser fiel ao drama que Portinari quis retratar. Sem receios, porque a própria situação do desfile vai se encarregar de carnavalizar a alegoria — explica o carnavalesco.

Na Renascer, vale mais o conjunto da obra do que os quadros individualmente. O carnavalesco Edson Pereira criou no barracão uma estampa com aplicações coloridas que lembram a obra de Romero Britto. O trabalho, semelhante a patchwork, estará no forro de parte dos carros e em pedaços de 70% das fantasias das alas, como as que representam o frevo, o maracatu e outras manifestações populares nordestinas, já que o protagonista é pernambucano.

— Pesquisamos vários tecidos para chegar a esse resultado. Usamos feltro, veludo e jérsei, entre outros materiais — conta Pereira.

Figurinista formado pela Iona College, em Nova York, ele tomou cuidado para que as muitas cores de Romero Britto não saturem os espectadores na Sapucaí e via TV. Tanto que o abre-alas é branco e prata, representando a inspiração divina que, no enredo, guia o artista plástico. O segundo setor é inspirado em Caravaggio, já que o homenageado da Renascer despertou para as artes plásticas ao ver um livro do pintor italiano.

O colorido de Romero Britto só vai predominar do terceiro carro em diante. Se fosse assim desde o abre-alas, o público ficaria cansado, acredita o carnavalesco da vermelho e branco de Jacarepaguá. Não é porque é carnaval que a aquarela brasileira será um borrão, de cores escolhidas sem critério. Seja ela de Edson Pereira, Alexandre Louzada ou Silas de Oliveira.


http://oglobo.globo.com/carnaval/pintores-ganham-moldura-carnavalesca-3932769

Um comentário:

  1. muito legal a escultura o site ta de parabens

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget