17/10/2014

SOS Museu da Maré: Comunidade fala contra Despejo do Museu

Um grupo de apoiantes, curadores e visitantes posar para a câmera depois de falar sobre a importância do museu.
Depois de sete anos, fornecendo um  aclamado  espaço para preservação histórica, cultura e arte no  Complexo da Maré , o  Museu da Maré  foi marcado para  o despejo , com 90 dias para desocupar o local. Leia a primeira parte desta série de duas partes aqui .
Há quatro petições para suspender o despejo: três em linha (on  Meu Rio "'s Panela de Pressão",  Petição Pública  e  Avaaz.org ) e uma base de papel-, bem como um grupo de pressão de discussão. Além de todas essas ações,  haverá uma marcha  a partir do  Museu da Maré  em 18 de Outubro, que visa bloquear a Avenida Brasil rodovia nas proximidades. Há também eventos semanais Twitter com o  seguinte  hoje, quinta-feira 09 de outubro às 19:00, horário do Rio de Janeiro.
RioOnWatch visitou o museu para documentar a sua importância e impacto na comunidade.Os seguintes depoimentos são de Visitantes, curadores e colaboradores do museu.
Ana Carolina Geronimo , 21, estudante de história da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), tem colaborado com o programa da universidade que oferece bolsas de estudo para professores que iniciam ( Pibid ) eo Museu da Maré no planejamento de atividades com estudantes e professores universitários:
"É tão variada que me surpreendeu. Eu não vivo aqui: eu vim com uma imagem, e conversando com os moradores, acabou com um completamente diferente "[O museu é importante! ] para recontar e recuperar as histórias de pessoas que realmente viveram no Rio de Janeiro, e realmente teve parte de sua história ".
Sylan Anderson , 30, tem vindo a trabalhar no museu há sete anos. Ele começou como um professor de dança contemporânea e está actualmente a coordenar suas Oficinas Culturais.Sylan expressou sua decepção em receber tal notícia decepcionante, assim como o museu foi revitalizar e espaços re-ocupação:
"Nós ainda não sabemos o motivo real por que eles querem esse lugar de volta.Pessoalmente, isso me dá uma sensação de incerteza: não sabemos o que vai acontecer, mas temos que continuar trabalhando, porque os projetos não podem parar.Ele gera tensão. E é uma mistura de tensão e calma que eu preciso para continuar resistindo ... O museu é o lar da comunidade, a casa de Maré. As pessoas têm-lo como uma referência para todas as suas vidas, como preservação da memória! "
Elisabette do Espírito Santo , de 52 anos, nascido e criado no Morro da Maré fazem Timbau, é um visitante freqüente do museu:
"Tomo a Zumba curso aqui, mas hoje eu vim fazer algumas pesquisas e estou ajudando com a petição, compartilhá-lo com amigos, colegas ... e online! O museu é uma referência, para os nossos filhos, sobrinhos e netos no futuro. Este museu não é apenas importante para a comunidade, mas para todos. "
Alan Silva , 19, e Linique Oliveira , 17, são estudantes de Maré da Vila do Pinheiro . Eles foram premiados com uma bolsa de estudo de 18 meses para estudar a história do Brasil, Rio de Janeiro e favelas.
Alan: "O museu conta a história dos moradores da Maré até agora. Tantas coisas e projetos estão acontecendo aqui: se remover esta, um pedaço de nós vai embora ".
Linique: "Depois de todas as dificuldades que passamos, é importante para que os jovens têm esses muitos projetos aqui."
Felipe Abrahão Monteiro , 26 anos, começou a trabalhar como voluntário no museu no ano passado e, atualmente, trabalha no departamento de comunicação. Felipe disse que houve uma falta de espaço para o diálogo e as negociações, ou mesmo explicações para o despejo:
"Nós acho que é por causa da especulação imobiliária e da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) fenômenos. [A UPP] poderia dar valor para a área ... Este museu não é apenas um museu. Não é apenas uma exposição. Há uma biblioteca, artesanato, oficinas, um grupo de teatro e programas educacionais. "
Serji , 26, e Marcelo Naz de Lima , 27, são do Nordeste do Brasil e viveram em Morro do Timbau , um dos bairros da Maré, nos últimos 14 anos.
Serji: "É um foco de resistência , não construído por uma pessoa, mas pelo conjunto da Maré. "
Marcelo: "É a nossa cultura, a nossa identidade, a nossa casa. Eles querem erradicar a nossa cultura . "
Carlos Henrique Paulo , 15 anos, nasceu e foi criado no Morro do Timbau:
"É o lugar onde a gente treina capoeira . Nós não podemos abandonar o museu, por causa de capoeira e outras coisas que dificilmente aconteceriam sem ele ... Nossa roda(desempenho) Hoje foi a favor do museu, queríamos mostrar o quanto isso significa para nós: sem ela, não estaríamos aqui "!
Markito , 50, é arquiteto e curador. Ele nasceu em Minas Gerais, mas estudou no Rio e logo se envolveu com a criação do Museu da Maré:
"[Museu da Maré] conecta com todos: todo mundo que teve uma infância, jogado nas ruas, todo mundo que tem essas memórias para voltar. E essas origens são importantes e, infelizmente, também muitas vezes nascem com um sentimento de vergonha . É a história de muitos, dos pobres muitos que constituem a maioria do Brasil. E é especial porque não há mais ninguém para contar essa história, só nós. "
Fátima , 48 anos, é um psicólogo que trabalha na área de educação do Museu da Maré:
"[Museu da Maré] desafia a naturalização da pobreza, mostrando como Pobreza é construída, e como, dentro deste grupo de pessoas, existem imensas capacidades."
"Este lugar foi abandonado. Foi um bom negócio para o proprietário para que nós mantê-lo em boas condições. Os atuais pacificação discursos e eventos e militarização das favelas são dignos de nota. Junto com essas "políticas sociais" que deseja remover este lugar-um centro cultural ? O museu é um bem social, não há dono: é da favela e para a favela ".
2_gesto
Marcelo , 47 anos, nasceu no Morro do Timbau e é um professor de arte e co-fundador do museu:
"Na década de 1980 uma equipe foi organizada para filmar cotidiano e histórias de registro especialmente os idosos, as primeiras gerações de pescadores. Temas e histórias comuns foram se repetindo, e depois de mais pesquisa nos arquivos, discussões e debates, que terminou com o projeto de museu. "
"Mesmo agora, eu sonho com o que poderíamos fazer a seguir-há uma grande quantidade de material à espera de novas exposições!"
Isabella do Nascimento , 18 anos, é estudante de Maré de Baixo do Sapateiro :

"É um lugar cheio de cultura , toda essa história é uma parte de nós. Além disso, todas as oficinas e cursos são oportunidades preciosas dadas [aos moradores]. Eles não podem remover o museu! É a nossa história, mesmo se tivermos que sair, nós vamos ter [o museu] conosco toda a nossa vida. "

http://www.rioonwatch.org/?p=18449

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget