28/01/2013

Governo do Rio desiste da demolição do antigo Museu do Índio

Grupo de indígenas chegou a se instalou no antigo Museu do Índio para resistir à demolição
Foto: Mauro Pimentel / Terra

André NaddeoGiuliander CarpesDireto do Rio de Janeiro

O governador do Estado do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, em informação confirmada por sua assessoria de imprensa, desistiu oficialmente de demolir o prédio onde funcionou o Museu do Índio, no Maracanã . Alvo de polêmica envolvendo tribos de diversas etnias, que ocupam o local desde 2006, Cabral voltou atrás em sua decisão e optou pela revitalização do local, após o índios se retirarem do local. Os indígenas devem sair ainda nesta segunda-feira.

No último sábado, a Justiça já havia concedido liminar que proibia o Estado de executar a demolição do local, que seria, de acordo com o governo estadual, uma exigência da Fifa tendo em vista os preparativos para a disputa da Copa do Mundo de 2014 – o Maracanã será o palco da grande final.

Em nota oficial, o governo do Estado diz que, agora, “o governador Sérgio Cabral e o prefeito Eduardo Paes vão agora tomar a iniciativa de fazer o tombamento do imóvel. O Governo está tomando as devidas providências para que o local seja desocupado dos seus invasores. O Governo do Estado comprou em 2012 da Conab o imóvel, composto por esse e outros prédios, pelo preço de RS 60 milhões. O Ministério da Agricultura já está desocupando os demais prédios existentes no local, que serão demolidos para garantir o fluxo de pessoas no entorno do estádio”.

Ficou decidido ainda que a empresa que vencer a licitação para a concessão, prevista para fevereiro, do estádio do Maracanã, que passa por reformas e tem inauguração ainda com data incerta, será a responsável pela revitalização da área. O complexo de atletismo Célio de Barros, o parque aquático Júlio De Lamare, além da escola municipal Friedenreich, continuam, ao menos por enquanto, no cronograma de demolição.

O prédio vizinho ao Maracanã foi construído muito antes do que o estádio, em 1862, e abrigou a sede do Serviço de Proteção ao Índio (SPI), predecessor da Fundação Nacional do Índio (Funai). De 1953 a 1957, o Museu do Índio, criado pelo antropólogo Darcy Ribeiro, funcionou ali antes de ser transferido para um prédio no bairro de Botafogo.

Cerca de 20 índios ocuparam o prédio abandonado em 2006 e criaram ali a “aldeia Maracanã”, onde realizam atividades culturais, educativas e venda de artesanato. Apoiados pela Defensoria Pública da União e pela comissão de direitos humanos da Assembleia Legislativa do Estado (Alerj), os índios buscavam a permanência no local, considerado por eles como um ponto de encontro de todas as tribos que passavam pelo Rio de Janeiro.

http://noticias.terra.com.br/brasil/cidades/governo-do-rio-desiste-da-demolicao-do-antigo-museu-do-indio,68e005e8ef18c310VgnVCM20000099cceb0aRCRD.html

3 comentários:

  1. Uma correção: o Museu do Índio funcionou ali até, pelo menos, final dos anos 60. Sua diretora, na época, era Marília Duarte Nunes.
    Vera Siqueira
    Museóloga
    Corem 4ª R - Nº 140-I

    ResponderExcluir
  2. VAMOS TORCER PRA Q O PRÉDIO SEJA TOMBADO E, DEPOIS Ñ SEJA DESTOMBADO, COMO ESTÁ NA MODA.

    ResponderExcluir
  3. Parece-me q a Marília Duarte Nunes tb era museóloga.

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget